Através de um estudo feito pela equipe multidisciplinar do MassGeneral Hospital for Children (MGHfC), Brigham and Women’s Hospital e outras instituições, pesquisadores identificaram o mecanismo de como uma complicação pós-Covid-19 pode se desenvolver em crianças e também adolescentes. 

Eles determinaram que as partículas virais que permanecem no intestino muito depois de uma infecção inicial por Covid-19 podem passar para a corrente sanguínea, instigando a condição chamada Síndrome Inflamatória Multissistêmica em Crianças (MIS-C).

publicidade

Essa síndrome pode ocorrer várias semanas após uma infecção inicial. Os sintomas incluem: febre alta, dor abdominal, vômito, diarreia, erupção na pele e fadiga extrema, podendo causar danos extensos no coração, fígado e outros órgãos.

Sendo assim, 80% das crianças hospitalizadas com MIS-C desenvolvem patologia cardíaca grave e precisam ficar internadas com um período de recuperação extenso. Atualmente, as estratégias de tratamento incluem um curso agressivo e de longo prazo de esteróides e imunoglobulina intravenosa.

Inclusive, a doença ocorre em menos de 1% das crianças com infecção confirmada por Covid-19. Em maio de 2021, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos relataram 3.742 crianças com diagnóstico de MIS-C e 35 mortes. As estatísticas dos Estados Unidos são voltadas para crianças latinas e negras, com um total de 63% nos casos com raça ou etnia listada.

O estudo foi publicado no Journal of Clinical Investigation e incluiu 100 crianças (19 com MIS-C, 26 com Covid-19 e 55 controles saudáveis). Os pesquisadores forneceram informações sobre a mecânica do MIS-C e identificam biomarcadores potenciais para detecção precoce de doenças.

“Quando percebemos que 95 por cento das crianças com MIS-C tinham partículas virais de Covid-19 em suas fezes, mas nenhum ou baixos níveis de partículas em seu nariz ou garganta, investigamos mais e descobrimos que o material viral permanecia no intestino muito depois da primeira infecção pode levar ao MIS-C “, explicou Yonker, principal autor do artigo.

A equipe também formulou a hipótese de que as partículas virais da Covid-19 encontradas no trato gastrointestinal das crianças se movem para a corrente sanguínea, levando à resposta imune hiperinflamatória característica do MIS-C. 

Leia mais:

Ademais, eles mediram altos níveis do vírus nas fezes e altos níveis de zonulina no sangue de crianças com MIS-C. Dados preliminares sobre a eficácia do acetato de larazotida no tratamento do primeiro caso de MIS-C, após obter a permissão de uso compassivo da Food and Drug Administration, abriram o possível uso de acetato de larazotida como o primeiro tratamento oral para Covid-19 e seus complicações.

“Nossa hipótese era que o larazotide reduziria a hiperinflamação fechando as junções estreitas e evitando que as proteínas de grande pico do vírus Covid-19 entrassem na corrente sanguínea”, concluiu Fasano.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!