Pesquisadores da Universidade Goethe, em Frankfurt, na Alemanha, afirmam ter desvendado as causas para o surgimento dos raros coágulos sanguíneos ligados às vacinas contra a Covid-19 dos fabricantes Oxford/AstraZeneca e Janssen, braço farmacêutico da Johnson&Johnson. E mais: eles acreditam que o risco pode ser eliminado.

Vacina AstraZeneca provocou rara reação de coagulação do sangue em 309 das 33 milhões de pessoas vacinadas no Reino Unido. Imagem: Seda Yalova – Shutterstock

Rolf Marschalek, professor da Goethe responsável pelo estudo, explicou ao Financial Times que a pesquisa revelou que o problema está nos vetores de adenovírus dos quais os dois imunizantes fazem uso para fornecer a proteína spike do Sars-Cov-2 vírus no corpo. 

publicidade

Leia mais:

De acordo com a pesquisa, as fórmulas enviam a proteína spike para o núcleo da célula. Nisso, partes da proteína se agrupam, ou se separam, criando versões mutantes incapazes de ligar a membrana celular. As proteínas mutantes flutuantes se distribuem aleatoriamente pelas células do paciente. Com isso, um em cada 100 mil indivíduos acaba desenvolvendo os coágulos. Marschalek acredita que há uma “saída”: os desenvolvedores da vacina agiriam para modificar a sequência da proteína do pico visando evitar que ela se divida.

A rara reação de coagulação do sangue foi registrada em 309 das 33 milhões de pessoas nas quais foi aplicada a vacina AstraZeneca no Reino Unido, levando a 56 mortes. Na Europa, pelo menos 142 pessoas tiveram coágulos sanguíneos entre 16 milhões de indivíduos vacinados com essa fórmula. Em consequência disso, o uso da vacina AstraZeneca foi restringido ou suspenso em mais de dez países da Europa. 

Janssen vai adaptar sua fórmula para evitar os coágulos sanguíneos

Já a Johnson&Johnson disponibilizou um aviso no rótulo de seu imunizante em abril. A fabricante entrou em contato com os pesquisadores da Alemanha pedindo orientações para uma adaptação da fórmula.

A Johnson&Johnson entrou em contato com os pesquisadores da Alemanha solicitando orientações para uma adaptação da fórmula. Imagem: StanislavSukhin – Shutterstock

De qualquer forma, a proteína da injeção da Janssen já era menos propensa ao problema do que a da AstraZeneca, tornando a reação menos comum, de acordo com Marschalek. Nos EUA, somente oito pessoas, entre os cerca de 7,4 milhões de indivíduos que receberam a dose da J&J relataram a reação.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!