Se a automação de operações e a inteligência artificial ajudaram a reduzir o número de trabalhos rotineiros, o valor dado a empregos que envolvem tomadas de decisões aumentou. Pelo menos é isso que consta no novo artigo de David Deming, economista político pela Harvard Kennedy School.

No documento, Deming apresenta uma análise de dados trabalhistas americanos nos últimos 50 anos. O estudo aponta que a parcela de empregos dos Estados Unidos que exigem tomadas de decisão aumentaram de 6% em 1960 para 34% em 2018 — quase metade do crescimento é observado desde 2017.

publicidade

E isso, naturalmente, é refletido no bolso dos profissionais: a parcela com maiores salários tem sido vista em ocupações de gestão de negócios, mais do que dobrando desde 1960. A tendência é de que os maiores pagamentos sejam observados em empregos de indústrias de alto crescimento.

Ainda de acordo com a análise, o crescimento dos ganhos nas carreiras dos Estados Unidos mais do que dobrou entre 1960 e 2017. A idade com que se ganha mais dinheiro também aumentou no final dos anos 30 para meados da década de 50, o que reforça uma mudança na disparidade geracional do mercado.

Ilustração de emprego que exige tomadas de decisão
Experiência profissional e cargos de tomadas de decisão se tornaram mais importantes com automação das operações. Foto: ESB Professional/Shutterstock

Leia mais:

Ou seja, o estudo aponta que o mercado tem dado um valor especial para ocupações por profissionais mais experientes, especialmente com a automação de serviços rotineiros.

Embora a automação de operações e tecnologias para a transformação digital sejam relacionadas a uma geração mais atual, o tempo de carreira conta muito na “hora H” de dar a palavra final.

Mas isso, é claro, apenas durante mais algum tempo. À medida que tecnologias como inteligência artificial e machine learning otimizarem suas tomadas de decisão e transferirem a consciência humana para as máquinas, os empregos e o mercado de trabalho deverão sofrer uma nova reestruturação. Bom para o futuro da tecnologia. Ruim para os humanos.

Fonte: Axios