A nova versão do Chrome, o navegador do Google, chegou. Segundo a empresa de Mountain View, ela vem com um ganho de 23% em velocidade de navegação, graças a atualizações no compilador JavaScript e otimizações no uso de memória promovidas pela companhia.

“Um componente importante na entrega de um navegador mais rápido é a execução mais veloz do JavaScript”, disse o Google. “No Chrome 91, esse trabalho é realizado pelo motor V8, que executa o equivalente a mais de 78 anos de código em JavaScript diariamente”.

publicidade

Leia também

Imagem mostra a logomarca do navegador Google Chrome em um computador: nova versão do aplicativo ganhou melhorias de JavaScript, trazendo maior velocidade de navegação
Nova versão do Google Chrome chega fazendo promessa de maior velocidade e otimização de memória. Imagem: PREMIO STOCK/Shutterstock

Detalhando a descrição da nova versão do Chrome, o Google ressalta que “o novo compilador JavaScript […] preenche o espaço entre a necessidade de começar uma execução rapidamente e otimizar o código com o máximo de performance”.

Há três anos, o Google instituiu um sistema de dois compiladores JavaScript – um para início de tarefas, outro para a finalização delas – chamados, respectivamente, “Ignition” e “Turbofan”.

“O ‘Ignition’ é um intérprete de bytecodes cujo trabalho é iniciar o JavaScript com o mínimo possível de atraso”, explica o Google. “O ‘Turbofan’ é o compilador que otimiza e gera códigos de alto desempenho baseados na informação coletada durante a execução do JavaScript; como resultado, ele começa mais devagar que o compilador ‘Ignition’”.

Agora, o Chrome conta com um terceiro compilador, que funciona como um “equilíbrio” aos seus congêneres, chamado “Sparkplug”. Basicamente, ele consegue gerar códigos nativos, mas não depende da coleta de informações obtida durante a inicialização do JavaScript.

Mais além, o motor V8 também promoveu otimizações de memória, melhorando os locais onde os códigos são armazenados e evitando engasgos na hora de chamar funções. Segundo o Google, isso deve ser especialmente interessante para usuários de dispositivos Apple – especialmente máquinas equipadas com o processador M1 da empresa.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!