Imagine um molusco com dentes de ferro. O que parece uma cena de filme da Marvel na verdade é real e foi comprovado por pesquisadores da Northwestern University, em Illinois, nos Estados Unidos. Após inúmeras análises, eles detectaram o mineral conhecido como Santabarbaraíte nos dentes de um tipo de quíton apelidado de “bolo de carne errante”.

A descoberta revelou a existência de um material extremamente resistente em um organismo vivo como nunca havia sido observado antes, abrindo precedentes para novos usos desse mineral.  

publicidade

Essas minúsculas partículas de ferro são leves e ajudam a endurecer a raiz dos dentes do molusco. Agora, os pesquisadores estudam utilizar essa substância no projeto de novos tipos de materiais. A pesquisa já rendeu uma nova tinta inspirada pelo quíton, para impressão de materiais ultraduros e resistentes em impressoras 3D.  

Novos rumos para o minério de ferro 

A existência de um mineral raro feito à base de ferro nos dentes dos moluscos não é novidade, mas na estrutura da raiz, sim. Utilizando várias técnicas de imagens avançadas, como espectroscopia, os cientistas conseguiram analisar as propriedades físicas e químicas do material ao interagi-lo com a luz e outras formas de radiação eletromagnética.   

Leia mais:

Ao verificar a presença do material na raiz dos dentes, os pesquisadores se aprofundaram na microscopia eletrônica e descobriram o Santabarbaraíte, que só era localizado anteriormente em espécies geológicas em quantidades muito pequenas e jamais havia sido visto em um ser vivo, como no “bolo de carne errante”. 

Impressão 3D  

Ao misturar o material encontrado no dente do molusco com um composto semelhante a quitina, com adição de líquidos com ferro e fosfato, foi possível criar uma pasta com um mineral bem semelhante ao Santabarbaraíte, fato comemorado pelos cientistas. “É um material que pode ser impresso e fica pronto para o uso em uma impressora 3D”, disse à Live Science, Derk Joester.    

A descoberta poderá criar um novo material para ser utilizado como tinta nas impressoras 3D e até mesmo máquinas com estrutura rígida e flexível. Imagem: Aasharkyu / Shutterstock

Outra vantagem é que o material descoberto é flexível, podendo ser usado também no campo da robótica, como na criação de máquinas que sejam duras em alguns lugares e macias e flexíveis em outros. 

“Deve ser possível misturar a tinta em uma proporção que você pode alterar imediatamente antes da impressão, permitindo que você altere a composição, a quantidade de nanopartículas e até a resistência do material”, concluiu Joester. 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!