Andreas Kolbe, jornalista do portal Daily Dot e ex-editor-chefe do The Signpost, jornal comunitário do Wikipedia, apontou uma séria contradição na renda da Wikimedia Foundation (WMF), organização sem fins lucrativos que é responsável pela enciclopédia on-line e outros sites escritos por voluntários.

O jornalista disse que, apesar de implorar por doações em seus portais on-line, vendendo a impressão que está passando por dificuldades financeiras, a WMF está com a conta bancária mais recheada do que nunca.

publicidade
Jornalista aponta que o Wikipedia não precisa de doações. Imagem: Reprodução/Wikipedia

Kolbe relatou que a fundação está prestes a atingir um fundo patrimonial de US$ 100 milhões (cerca de R$ 523 milhões, na conversão atual) cinco anos antes do esperado. Além de conter em seus fundos totais algo em torno de US$ 300 milhões (R$ 1,5 bilhão).

De acordo com o artigo publicado, em apenas nove meses do atual exercício financeiro, a WMF ultrapassou o recorde de doações do ano anterior e os valores arrecadados ultrapassam U$ 142 milhões (R$ 742 milhões).

A pesquisa publicada no portal focado na cultura da internet deixou muitos usuários perplexos. Pois, todos os anos, o Wikipedia apresenta janelas de doação bem chamativas que reforçam a necessidade da contribuição dos leitores para que o site se mantenha ativo.

Leia também!

No entanto, Andreas Kolbe afirmou que as receitas crescentes da WMF são mais do que suficientes para manutenção do site. O jornalista ainda disse que em 2013, Erik Möller, vice-presidente de engenharia e desenvolvimento de produtos da época, estimou que o site poderia ser administrado confortavelmente com US$ 10 milhões por ano.

O jornalista apontou que a verdadeira intuição da fundação responsável pela enciclopédia é aumentar sua economia e financiar novos projetos. Kolbe relatou ainda que a WMF está lançando uma empresa com fins lucrativos chamada Wikimedia LLC, que venderá serviços de interface de programação de aplicações (API, na sigla em inglês) para grandes empresas de tecnologia.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!