O foguete que vai levar os primeiros astronautas para a nova estação espacial da China já está na plataforma de lançamento. O aeronave vai decolar na próxima semana com os três tripulantes que passarão três meses no laboratório em órbita chinês.

O foguete que vai realizar a missão é o Longa Marcha-2F Y12, levando a espaçonave Shenzhou-12. Ele foi transferido para o Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan, no noroeste da China, na quarta-feira (9). A decolagem está marcada para o dia 16 de junho, a próxima quarta.

publicidade

Leia mais:

O núcleo da estação Tanhe foi lançado no final de abril. Em maio, uma nave de carga levou combustível, alimentos e equipamentos para o local. Lá, os astronautas vão realizar trabalhos de manutenção e construção, além de fazer caminhadas espaciais e experiências científicas.

Em setembro, uma missão de carga vai decolar, após a tripulação de substituição ser enviada. A China informou, em março, que os astronautas em treinamento são veteranos e também novatos. O país também integrou mulheres nas equipes, mas o primeiro grupo é totalmente masculino.

foguete china longa marcha
O foguete Longa Marcha-2F Y12 chegou à plataforma de lançamento na quarta-feira (9). Imagem: Wang Jiangbo/Xinhua

A agência espacial chinesa planeja onze lançamentos até o final de 2022, para entregar ainda dois módulos do laboratório, que vão expandir a estação de 70 toneladas. Também serão enviados suprimentos e tripulantes. Até agora, a China já mandou para o espaço 11 astronautas, todos pilotos da ala militar do Exército de Libertação Popular.

A estação chinesa, quando concluída, permitirá a permanência dos astronautas por até seis meses, tempo de estadia similar ao da Estação Espacial Internacional (ISS). A China, porém, não faz parte desse programa. A Tianhe poderá ser usada por até 15 anos.

Recentemente, o gigante asiático pousou a sonda Tianwen-1 em Marte, transportando o rover Zhurong. O programa espacial chinês também já trouxe de volta amostras lunares e pousou uma sonda e um rover do lado menos explorado do satélite natural da Terra.

Via: Phys

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!