A conferência da Apple para desenvolvedores deste ano passou sem o aguardado anúncio de novos MacBooks Pro com o chip M1, o primeiro processador desenvolvido pela empresa de Cupertino. Ainda assim, a Maçã usou algumas palavras-chave curiosas para marcar alguns vídeos da WWDC21 postados no YouTube: “M1X MacBook Pro” e “M1X”.

Os dois termos indicam que o MacBook Pro equipado com um chip de arquitetura ARM pode estar a caminho. Vale ressaltar que, segundo o The Verge, o dispositivo viria com uma versão aprimorada do chip M1 usado nos Macs atuais, que a Apple deve chamar de M1X.

publicidade

Vale lembrar ainda que analista de mercado Mark Gurman, especialista na Apple, relatou em maio que os novos modelos do MacBook Pro de 14” e 16” seriam anunciados no verão deste ano, que ocorre entre junho e setembro no hemisfério norte.

Leia mais:

Os portáteis, se confirmados, podem trazer de volta alguns recursos como o slot para cartão SD, uma porta HDMI e uma versão repaginada do conector de carregamento MagSafe. Em processamento, Gurman indica que os dispositivos podem oferecer o dobro de núcleos de CPU e GPU disponíveis no chip M1, além de suportar até 64 GB de memória RAM.

macOS Monterey virá com recursos exclusivos para os Macs com chip M1

macos monterey
macOS Monterey vai contar com recursos exclusivos para os Macs com chip M1. Imagem: Apple/Divulgação

A Apple também anunciou na WWDC 21 a sua próxima grande atualização para o o sistema operacional dos Macs, chamado mac OS Monterey. A má notícia é que parte dos recursos não chegará aos Macs equipados com processadores da Intel.

A informação foi divulgada de forma discreta no site da empresa. Os recursos listados abaixo estarão disponíveis apenas nos Macs com chip M1:

  • Modo retrato do FaceTime: recurso que permite desfocar o fundo enquanto o usuário está em videochamada;
  • Live Text: novidade que permite extrair texto de fotos e imagens, permitindo ainda copiar e colar as palavras;
  • Nova visão do globo no aplicativo Apple Maps e mapas detalhados de cidades como São Francisco, Los Angeles, Nova York e Londres;
  • Conversão de texto para fala usando voz gerada por redes neurais nos idiomas sueco, dinamarquês, norueguês e finlandês;
  • Ditado off-line e sem limite de tempo (em versões anteriores, o ditado era limitado a 60 segundos).

A nova estratégia adotada pela Apple sugere que a empresa de Tim Cook pode, futuramente, implementar ainda mais recursos exclusivos apenas para os dispositivos equipados com os seus próprios chips.

Via: The Verge

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!