Características de proteínas explicam como Alzheimer se espalha no cérebro

Cérebro. imagem: Shutterstock

Características de príons humanos, que são proteínas mal dobradas que causam doenças leitais, pode explicar como a Alzheimer se espalha no cérebro, já que tal elemento é responsável pela replicação do que danifica a mente humana.

O objetivo final da pesquisa é ajudar a projetar uma estratégia para interromper a doença de príon em humanos , além de validar novas abordagens para trabalhar com Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas .

Porém, os cientistas ainda não descobriram a causa exata da doença de Alzheimer, mas concordam que os problemas com proteínas desempenham um papel no seu surgimento e progressão. A doença de Alzheimer atinge mais de 6 milhões de pessoas nos Estados Unidos, e a Associação de Alzheimer estima que seu tratamento custará cerca de US$ 355 bilhões este ano.

A pesquisa foi feita no Laboratório Safar no Departamento de Patologia e no Centro de Proteômica e Bioinformática da Escola de Medicina da Universidade Case Western Reserve, junto com o Centro de Biociência Síncrotron da Case Western Reserve nos Laboratórios Brookhaven em Nova York. 

Leia também:

Os príons humanos podem se ligar a proteínas vizinhas no cérebro e causar buracos microscópicos. Então, eles transformam os cérebros em estruturas semelhantes a esponjas e levam à demência e à morte por Alzheimer. As descobertas levaram ao debate científico em andamento sobre se os mecanismos semelhantes ao príon estarem envolvidos na origem e disseminação de outras doenças neurodegenerativas em humanos

Os pesquisadores criaram um novo processo de três etapas para estudar os príons humanos e consequentemente, tratar a Alzheimer:

“O trabalho é um primeiro passo crítico para identificar locais de importância estrutural que refletem as diferenças entre príons de diferentes diagnósticos e agressividade”, completou Mark Chance, vice-reitor de pesquisa da Escola de Medicina.

Fonte: Medical Xpress