Exércitos do mundo querem veículos autônomos para reduzir o risco e a carga de trabalho dos soldados, e um novo modelo é um excelente exemplo de como isso pode funcionar. O Mission Master XT pode transportar 2.204 libras (cerca de 1 tonelada) de suprimentos para zonas de batalha, enquanto opera em um alcance de mais de 740 km. Em meio à guerra, isso permitiria à máquina ir sozinha a terrenos acidentados, transportar um soldado ferido e até agir como batedor.

O minitanque, projetado e construído pela Rheinmetall Canada, pode lidar com terreno arenoso, rochoso e montanhoso, mesmo em “gelo, neve e condições climáticas sub-zero”, de acordo com a empresa. O veículo ainda é “totalmente anfíbio” – ou seja, pode flutuar e nadar com carga útil total de mais de uma tonelada ou montar colinas íngremes de até 35 graus. Ao mesmo tempo, os enormes pneus de baixa inflação podem funcionar mesmo com buracos de até três quartos de polegada de profundidade.

publicidade

Confira mais detalhes do Mission Master XT no vídeo abaixo:

O veículo autônomo usa um motor movido a diesel para atingir a boa autonomia, mas também inclui baterias de íon de lítio que podem fornecer energia a qualquer aparelho eletrônico por até seis horas. Tudo isso junto à tecnologia de “vigilância silenciosa”, que permite ao exército fazer operações de aproximação ou vigiar o inimigo de perto sem fazer nenhum ruído ou emitir um padrão térmico que pode ser detectado.

A direção de forma autônoma é possível graças ao software e hardware PATH personalizado da Rheinmetall, que inclui scanner 3D LiDAR, câmeras frontal e traseira e sensores extras para navegar onde o GPS pode não estar disponível. O minitanque também possui um modo de seguimento onde pode rastrear um soldado ou qualquer tipo de transporte à frente, mantendo uma distância segura. Ao mesmo tempo, possui um local para o motorista operar o veículo com um joystick integrado.

Leia mais:

Com todos esses recursos, o Mission Master XT cumpre a missão principal para qual foi projetado: transportar suprimentos, humanos e feridos para fora das zonas de batalha. No entanto, o veículo também pode assumir um papel mais ativo, carregando armamento com “muito mais poder de fogo do que armas normais transportadas por um homem”. Conforme a empresa anuncia, o minitanque poderia potencialmente fazer parte da luta no “modo de guerra”, acoplado com dois veículos de reconhecimento auxiliares e quatro robôs armados. Nesse caso, ele seria operado remotamente e não de forma autônoma.

Fonte: engadget

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!