Ciência e Espaço

Mudanças climáticas tornam eventos extremos mais comuns, aponta estudo

29/06/21 08h46, atualizada em 29/06/21 09h59
Furacão visto por satélite

Crédito: CC0 Domínio Público

Tempestades, inundações e secas, os chamados eventos extremos, estão ficando cada vez mais comuns em decorrência das mudanças climáticas. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), esses eventos resultaram em cerca de 15.000 mortes e um prejuízo de mais ou menos US$ 170 bilhões (R$ 837 bilhões, na cotação atual), só em 2020.

Condições meteorológicas extremas significam eventos climáticos raros nos locais e horas em que acontecem, como por exemplo, uma onda de calor na Sibéria. Além disso, pode significar condições climáticas com forte impacto na vida cotidiana, como fortes tempestades e secas prolongadas.

Os especialistas defendem que os eventos climáticos extremos variam de acordo com o tipo de acontecimento que se fala. “Alguns tipos de eventos climáticos estão se tornando mais extremos, como ondas de calor ou precipitação intensa”, disse o especialista em ciência do clima do Instituto Real de Meteorologia da Holanda, Geert Jan van Oldenborgh.

Alguns mais raros

Nevascas tendem a ficar mais raras. Crédito: CC0 Domínio Público

Em contrapartida, outros eventos têm se tornado mais raros e menos extremos, como ondas de frio prolongadas e nevascas, enquanto outras ainda ficam no meio do caminho, com áreas em que as secas se tornam mais extremas e em outras, menos.

Alguns tipos de clima extremo já se tornaram mais severos por conta das mudanças climáticas causadas pelo homem. Outros tipos de eventos extremos devem se tornar mais severos à medida que o clima da Terra esquenta. Contudo, em alguns eventos, como furacões, as evidências são mais matizadas.

Os cientistas esperam tempestades mais intensas, maiores e mais duradouras para o futuro, porém, em menor quantidade. Além disso, esses furacões maiores também podem produzir uma maior quantidade de chuvas.

Mais seca e mais chuva

Calor tem capacidade de gerar mais secas, ao mesmo tempo que provoca mais chuvas. Crédito: CC0 Domínio Público

Curiosamente, climas mais quentes podem causar precipitações extremas, ao mesmo tempo em que desencadeiam secas. Isso acontece porque o calor extremo aumenta a evaporação, fazendo com que os solos e a vegetação sequem mais rápido quando está mais seco, o que cria uma associação entre ondas de calor e secas.

Leia mais:

“À medida que as temperaturas aumentam, a quantidade de vapor de água no ar, em condições húmidas, aumenta”, explica o especialista em ciência do clima da Universidade Estadual da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, Walter Robinson.

“Como o vapor de água atmosférico se converte em chuva nas nuvens, com o aquecimento do clima, esperamos que as chuvas se tornem mais pesadas. Há fortes evidências observacionais de que isso está acontecendo”, completa Robinson.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Deixe sua opinião
Tags