O mercado de boletins informativos por assinatura está ganhando grande popularidade e o Facebook anunciou no início de junho que lançaria sua própria plataforma.

A ferramenta ganhou o nome de Bulletin e permitirá que os escritores postem informativos gratuitos e pagos. Segundo o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, a nova plataforma está “focada em capacitar escritores independentes, ajudando-os a alcançar novos públicos e impulsionar seus negócios”.

publicidade
Inagem mostra o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, sentado em um acadeira de madeira, respondendo a perguntas durante uma audiência. Ele veste terno preto com gravata da mesma core está com o cabelo curto
Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, espera que Bulletin capacite escritores independentes. Imagem: Chip Somodevilla / Getty Images

No lançamento do Bulletin, o Facebook inscreveu os escritores Malcolm Gladwell, Tan France e Erin Andrews, entre outros, com intuito de cobrir diversos assuntos, como finanças, esportes, medicina e ciência. Por ora, a plataforma não inscreverá mais escritores nesta fase beta.

De acordo com o The Verge, o lançamento do boletim informativo do Facebook é uma resposta direta ao Substack, que está crescendo exponencialmente e se tornando ferramenta de grandes escritores, como Glenn Greenwald e Anne Helen Petersen

“O objetivo aqui em toda a empresa é apoiar, eventualmente, milhões de pessoas fazendo trabalho criativo”, disse Zuckerberg ao afirmar que o Bulletin faz parte da missão do Facebook em continuar aumentando as formas de monetização dos criadores presentes na plataforma.

O Facebook não é a única rede social que está investindo em boletins informativos. O Twitter recentemente comprou a plataforma Revue, mas ainda não apresentou propostas para integrá-la à plataforma.

Leia também!

Facebook atinge valor de mercado de US$ 1 trilhão pela primeira vez

O Facebook se juntou ao seleto grupo de companhias no mundo com valor de mercado de US$ 1 trilhão. O montante (que, na verdade, ultrapassa o valor e bate a marca de US$ 1,008 trilhão) foi contabilizado no fechamento de mercado desta segunda-feira (28).

A notícia veio juntamente com o resultado do caso da Comissão Federal de Comércio norte-americana (FTC, na sigla em inglês), que indeferiu um processo antimonopólio contra a companhia, rejeitando a ideia de que as aquisições do Instagram e WhatsApp pelo Facebook deveriam ser desfeitas.

Esta é a primeira vez que a companhia de Mark Zuckerberg supera a marca desde a sua fundação, em 2004, e também desde que a empresa se tornou uma companhia de capital aberto, em maio de 2012.

Além disso, ela é a única que participa do ranking das companhias de TI dos EUA que ultrapassaram a marca de valor de US$ 1 trilhão e que foi fundada na década de 2000 – o que a torna a mais nova dentre as gigantes da lista.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!