A multinacional japonesa SoftBank está cortando empregos em seu negócio global de robótica e paralisou a produção de seu robô Pepper, anunciado em 2014. As informações, baseadas em fontes e documentos analisados pela Reuters, contrastam com as ambições do presidente-executivo da companhia, Masayoshi Son, de tornar a empresa líder na indústria de robótica.

Embora o SoftBank tenha reportado um lucro líquido de US$ 45,8 bilhões de março de 2019 até o mesmo mês deste ano, o desempenho negativo com as vendas do Pepper, principal aposta da empresa para o setor, desestimularam o desejo da companhia de produzir máquinas “humanizadas” que pudessem servir clientes e cuidar de crianças.

publicidade

Anunciado há cerca de sete anos e montado pela Foxconn, na China, o Pepper tinha a premissa de ser o primeiro robô com um “coração”, que, inclusive, auxiliaria a cobrir a escassez de mão de obra.

Não vingou. O SoftBank encontrou dificuldades em estabelecer uma base de clientes global do produto e produziu apenas 27 mil unidades do robô, segundo uma das fontes ouvidas pela Reuters. Como consequência, a multinacional japonesa interrompeu a produção do Pepper no ano passado e reiniciar a produção significaria gastos exorbitantes.

Robô Pepper, criado pelo SoftBank
Vendas do robô Pepper ficaram aquém do esperado pelo SoftBank. Foto: VTT Studio/Shutterstock

Leia mais:

Diante disso, o SoftBank planeja eliminar parte de sua equipe de robótica. E nos Estados Unidos e no Reino Unido, o processo já começou: segundo três fontes, metade da equipe já foi cortada de operações de vendas menores nessas regiões. Os colaboradores demitidos foram realocados no Japão.

Já na França, a ideia é eliminar cerca de metade dos 330 cargos do setor em setembro. As negociações sobre as demissões já estão em curso, mas, de acordo com um porta-voz do SoftBank, os números finais ainda não foram definidos.

Apesar disso, a companhia afirma em comunicado que “continuará a fazer investimentos significativos em robôs de próxima geração para atender clientes e parceiros”.

Fonte: Estadão

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!