O derretimento do gelo da Terra está acontecendo a uma velocidade cada vez maior, fazendo com que nosso planeta perca anualmente uma área equivalente ao tamanho do Lago Superior, um dos cinco Grandes Lagos da América do Norte. Ele está localizado entre os Estados Unidos e o Canadá, sendo o maior lago de água doce do mundo, com uma área de 82.103 km².

Isso não é exatamente uma surpresa para os pesquisadores, já que o derretimento do gelo das camadas polares, geleiras e na cobertura de neve sazonal é um fenômeno muito bem documentado. Mas esse novo estudo é o primeiro a estimar o tamanho de todos os pedaços de gelo derretidos da Terra juntos e medir seu derretimento como algo único.

publicidade

Os pesquisadores, que foram liderados pelo geógrafo da Universidade de Lanzhou, na China, Xiaoqing Peng, descobriram que o planeta perdeu anualmente em torno de 87.000 km² de cobertura de gelo desde 1979. Segundo Peng, esse é um indicador fortíssimo de que as mudanças climáticas são um fenômeno global e não uma questão local ou regional.

Coleta e compilação

Veículo passeia por lago congelado
Dados foram coletados por satélite e compilados por diferentes órgãos. Crédito: Gabe Rogel/Aurora/iStock

A metodologia utilizada no estudo envolveu a reunião de dados sobre a cobertura de neve, extensão do gelo marinho e solo congelado, este último inclui o tamanho das camadas de gelo nas regiões polares. Parte dessas medições foram feitas por satélite e coletadas pelo Centro Nacional de Neve e Gelo (NSIDC), dos Estados Unidos.

Uma outra parcela, essa com foco maior na cobertura de neve, tanto em comprimento, quanto em profundidade, foram compilados pelo Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio Prazo. Em seguida, a equipe de Peng validou esses conjuntos de dados comparando esses números aos dados de 28.000 estações meteorológicas locais em diferentes partes do mundo.

Leia mais:

Com esses dados em mãos, eles descobriram que o hemisfério norte foi o que mais perdeu gelo, com a cobertura encolhendo em 102.000 km² por ano. Essa perda tão acentuada foi ligeiramente compensada por alguns ganhos menores, de cerca de 14.000 km² anuais, no hemisfério sul. A maior parte desses ganhos aconteceu no Mar de Ross, na Antártica.

A criosfera, que é o nome que se dá para o coletivo de gelo da Terra, detém três quartos da água doce do mundo. Por conta disso, sua diminuição está afetando o abastecimento de água em regiões montanhosas, que dependem de um degelo sazonal, geralmente ocorrido na primavera, para encher seus rios e reservatórios.

Com informações do Space

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!