O helicóptero Ingenuity completou mais uma viagem – seu nono voo, se você estiver fazendo as contas – em Marte, desta vez permitindo à Nasa testar algumas novas funções de navegação e, quem sabe, abrindo o caminho para novos veículos voadores no futuro.

Nesta viagem, o Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa comandou o helicóptero para sobrevoar “atalhos” potencialmente perigosos para seu companheiro de solo – o rover Perseverance.

publicidade

Leia também

Isso porque, por mais eficiente que o Perseverance possa ser, ele ainda tem alguns limites de navegação, não podendo trafegar por terrenos muito acidentados. Dada a sua missão principal de buscar por evidências de vida antiga no planeta vermelho, “locais inacessíveis” poderiam comprometer seus objetivos.

Nisso, entra o helicóptero Ingenuity: originalmente previsto para apenas cinco viagens, o veículo completou seu nono voo em Marte duas semanas após o anterior, mostrando que o helicóptero de pouco mais de um quilo e tecnologia experimental poderia ajudar a expandir o raio de exploração da cratera Jezero – a região onde os veículos foram posicionados.

“O Perseverance está, atualmente, na borda mais a leste de uma região cientificamente interessante chamada ‘Séítah’, que é caracterizada por ondulações arenosas que podem ser desafiadoras para veículos sobre rodas como o rover”, disse a equipe de controle da Nasa em um comunicado anterior ao nono voo.

“Ao invés de seguir à frente do rover, porém, nós agora vamos tentar algo que somente um veículo aéreo em Marte poderia fazer — pegar um atalho por uma porção da região de Séítah e aterrissar em uma planície mais ao sul. No caminho, vamos tirar fotos aéreas de rochas e ondulações de terreno pelas quais passarmos”.

As imagens em questão, porém, ainda não foram processadas e, por isso, não puderam ser divulgadas. O processo para isso é um pouco demorado: as imagens feitas pelo Ingenuity são enviadas ao Perseverance, e do rover, para um dos muitos satélites posicionados na órbita do planeta vermelho, de onde são retransmitidas para a Terra. Só então é que o controle da missão na Terra poderá trabalhá-las.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!