Uma pesquisa realizada no Instituto de Psiquiatria, Psicologia e Neurociência do King’s College de Londres, em parceria com a Universidade de Liverpool e o Instituto Karolinska, apontou que os sintomas sentidos em pacientes que possuem fibromialgia podem ser causados por ações dos anticorpos.

A nova descoberta sobre a fibromialgia foi publicada na revista científica Journal of Clinical Investigation e classificaria a síndrome como uma doença do sistema imunológico, o que abre as portas para pesquisas a fim de procurar entender como combater os anticorpos responsáveis pela disfunção imunológica.

publicidade
Implante na medula pode reduzir dores nas costas
Anticorpos podem ser os responsáveis pelos sintomas da fibromialgia, diz estudo. Imagem: Tumisu (Pixabay)

Para realização da pesquisa, os cientistas usaram dois grupos de camundongos. O primeiro recebeu anticorpos de pacientes com fibromialgia e apresentaram sintomas relatados por pacientes da síndrome, como perda de força nos membros e maior sensibilidade ao frio.

Já o segundo grupo, que recebeu anticorpos de pessoas que não foram diagnosticadas com a doença, não apresentaram nenhum tipo de sintoma.  

Semanas depois, quando o primeiro grupo já não tinha mais os anticorpos no corpo, eles se recuperaram dos sintomas. Com isso, foi possível afirmar que os anticorpos dos próprios pacientes podem agir como um dos principais fatores que causam os sintomas da doença.

Leia também!

“Tínhamos um conhecimento limitado da doença. O tratamento para a síndrome da fibromialgia era focado em exercícios aeróbicos suaves, drogas para o manejo da dor e terapias psicológicas, embora nada se mostrasse eficaz para a maioria dos pacientes. Isso agora vai mudar”, disse o líder da pesquisa, David Andersson, ao informar que com a descoberta será possível buscar novos tratamentos.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR), a fibromialgia afeta 2,5% da população mundial e é mais comum entre pessoas de 30 e 50 anos, além de estar mais presente nas mulheres. Estima-se que entre 70 e 90% dos pacientes da enfermidade sejam do grupo feminino.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!