Nesta segunda-feira (12), o bilionário Elon Musk vai ao tribunal de Delaware, nos Estados Unidos, para se defender de uma ação movida pelos acionistas da Tesla – sim, sua própria empresa.

A ação foi movida após o executivo comprar a empresa de painéis solares SolarCity, em 2016, por US$ 2,6 bilhões.

publicidade

De acordo com os acionistas da fabricante de carros elétricos, Musk não cumpriu com seus deveres fiduciários, já que a companhia comprada pertencia à família do empresário.

Elon Musk vai ao tribunal se defender de acionistas da Tesla por compra da SolarCity, feita em 2016. Imagem: Mike Blake/Reuters

A SolarCity foi fundada pelos primos de Elon Musk, Lyndon e Peter Rive, que também comandavam a empresa. Com a compra, não apenas os parente se beneficiaram, mas também o bilionário e seu irmão, Kimbal, já que ambos possuíam ações da companhia.

Musk, além de responder à época por 22% da SolarCity, ele também presidia o conselho da empresa.

Os acionistas da montadora de carros elétricos afirmaram, ainda, que não havia motivos para aquisição da empresa de painéis solares e que o negócio só foi feito para realizar um resgate financeiro para a família de Musk.

Na época da compra, a SolarCity tinha uma dívida de US$ 3 bilhões e não tinha lucro algum em caixa.

Além dos problemas financeiros, a SolarCity, que se tornou Tesla Energy depois do negócio, é frequentemente acusada por clientes de não prestar atendimento, levando meses para atender quaisquer solicitações.

Leia também!

Em janeiro de 2020, uma série de membros do conselho da Tesla fecharam um acordo com acionistas e pagaram US$ 60 milhões para sanar os danos causados pela aprovação da compra da SolarCity.

Com a ação dos membros do conselho, Musk é o único réu no tribunal de Delaware e, caso perca o processo, terá de indenizar a Tesla em US$ 2 bilhões.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!