De acordo com o médico oncologista Tiago Cerzósimo de Oliveira, do Hospital São Mateus, em Cuiabá, o câncer na cabeça e pescoço acontece principalmente em pessoas fumantes. Ainda segundo o médico, que se baseia nos dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça e Pescoço (SBCCP), o tipo da doença ocorre em grande maioria nos homens, devido ao maior uso de tabaco e álcool.

“O câncer de cabeça e pescoço dificilmente ocorrerá em um paciente que nunca tenha fumado ou ingerido bebida alcoólica. Contudo, existe um segundo fator de risco que é causado pelo HPV [Papilomavírus Humano]”, explicou o médico ao site Midia News, ressaltando que “a partir do momento que mais pessoas deixarem de fumar, a taxa desse tipo de câncer também diminui.” 

publicidade

O câncer na cabeça e pescoço pode atingir a boca, a parte nasal, a garganta e a laringe. Dados recentes do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam que 43 mil novos casos de tumores nessa região surgem anualmente, ao mesmo tempo em que 10 mil pessoas morrem em decorrência da enfermidade.

Além disso, o instituto ainda revela que o câncer na cavidade oral – um dos cânceres de cabeça e pescoço – é o 5º tipo de neoplasia que mais acomete os homens brasileiros.

Tabagismo é a principal causa do câncer na cabeça e pescoço, alerta oncologista. Imagem: Shutterstock

De acordo com a Pesquisa Nacional da Saúde (PNS), referente a 2019, – dado mais recente publicado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) – 20,4 milhões de brasileiros são fumantes. Dentre os homens, a pesquisa aponta que 16,2% deles fumam, enquanto apenas 9,8% das mulheres possuem o vício.

“A recomendação aos pacientes que possuem os fatores de riscos é realizar um exame de videolaringoscopia pelo menos uma vez por ano. Isso porque ao detectar um nódulo na fase inicial é possível a realização do tratamento de forma precoce e dessa forma preservar o órgão”, recomenda o especialista.

Leia mais!

O câncer e a pandemia da Covid-19

O vício em cigarros é considerado uma doença crônica e impacta diretamente nos números de mortes por câncer. O médico Bruno Aragão, oncologista clínico do Cetus Oncologista, salienta que, em razão da pandemia da Covid-19, é possível que haja um aumento na incidência de óbitos por câncer de cabeça e pescoço.

“Devido à pandemia, calcula-se aumento de 20% na mortalidade nos tumores de cabeça e pescoço, uma vez que houve aumento do consumo de álcool e fumo, além do sedentarismo e aumento de peso, provocado pelo isolamento social. Uma diminuição das percepções das pessoas quanto aos sintomas e queda na procura de auxílio médico são outras razões para a subida de casos”, disse Aragão em entrevista ao jornal Estado de Minas.

É de suma importância o diagnóstico precoce de qualquer tipo de câncer, no caso da doença na cabeça e pescoço as chance de recuperação ficam em torno de 90% se tratadas precocemente, afirma a médica oncologista Tracy Dias, também ao Estado de Minas. Neste mês, chamado de “Julho Verde”, acontece a campanha de conscientização contra o tipo da doença. Promovida pela SBCCP, o objetivo é exatamente orientar a prevenção e o diagnóstico precoce.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!