Um novo artigo publicado no Journal of Gerontology Series B – Psychological Sciences and Social Sciences apontou que socializar e estar engajado em atividades cotidianas é fundamental para um envelhecimento saudável. O estudo, desenvolvido por pesquisadores internacionais e liderado pela Flinders University, também observou que as atividades mais significativas e desafiadoras provocam maior conexão emocional.

“Permanecer engajado em atividades significativas à medida que envelhecemos é uma parte importante do envelhecimento saudável”, disse o professor Associado da Universidade Flinders Tim Windsor.

publicidade

Para chegar à conclusão, a equipe entrevistou e estudou as atividades de 73 idosos com idade média de 89 anos e avaliaram as emoções positivas deles quando relatavam as atividades mais significativas – as que mais gostavam de fazer.

De acordo com o Medical Xpress, os participantes foram questionados sobre atividades sociais, físicas(saúde), sobre foco cognitivo (palavras cruzadas, leitura e gestão financeira), gestão doméstica, autocuidado (corpo, descanso/cochilo, alimentação e visitas ao médico), atividades produtivas (ajudar os outros e ser voluntário) e de lazer (assistir TV e ouvir música).

Segundo a professora emérita da Flinders University, Mary Luszcz, que liderou o Australian Longitudinal Study of Aging, “ao todo, não importa o que as pessoas escolheram, os entrevistados expressaram uma forte conexão emocional com atividades que ainda lhes apresentam desafios alcançáveis.”

A vida aos 80: desenvolver atividades é importante para um envelhecimento saudável. imagem: Belushi/iStock
A vida aos 80: desenvolver atividades é importante para um envelhecimento saudável. Imagem: Belushi/iStock

Em Adelaide, na Austrália, um clube de tênis de mesa recebe idosos que praticam regularmente o esporte e, ao mesmo tempo em que se exercitam, se relacionam e se divertem. Segundo Rod Nankivell, que supervisiona o Grupo de Tênis de Mesa da Igreja Batista de Blackwood Hills, “a diversão e o companheirismo é evidente a cada manhã que jogamos.”

“Não temos competições, mas temos alguns membros que jogam competitivamente e alguns membros que estão sendo treinados”, conta o supervisor, acrescentando que um dos membros era um ex-jogador profissional e recentemente foi diagnosticado com doença de Parkinson.

Leia mais!

Um outro jogador, que completou de 80 anos recentemente, já passou por duas trocas de quadril e ainda joga com entusiasmo e louvor.

O tênis de mesa é uma atividade que envolve a coordenação da mão e olho, queima calorias, e também melhora a acuidade mental. Uma curiosidade é que jogadores experientes são altamente qualificados também na criação e na resolução de quebra-cabeças, que envolve os mesmos atributos exigidos pelo esporte.

“Alguns dos passatempos mais interessantes e desafiadores podem ser baratos ou gratuitos, e é importante continuarmos a ser flexíveis nas atividades que escolhemos e nos adaptarmos de forma que possamos usar nossos pontos fortes sem sobrecarregar nossos recursos”, ressaltou Windsor.

Idosos e videogames

Recentemente, uma pesquisa feita Global Web Index, empresa que trabalha com pesquisas de marketing, também identificou que entre as atividades escolhidas pelos idosos os jogos de videogame passaram a ser uma opção.

Nos últimos três anos, houve alta de 32% entre os jogadores da faixa etária de 55 e 64 anos e 24% dos pais e avós estão considerando a jogatina com os filhos e netos “um momento para a família.”

Ainda segundo a empresa, a pandemia da covid-19 pode ter aumentado os números, mas é improvável que seja responsável por todo o crescimento.

 Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!