O Facebook possui rigorosas regras que impedem seus funcionários de falarem sobre seu trabalho na empresa. Agora, alguns moderadores da companhia fizeram uma carta dirigida a Mark Zuckerberg e outros diretores da rede social em que pedem o fim dos acordos de não-divulgação.

O documento diz que esses acordos, que em tese serviriam para impedir que os funcionários compartilhem dados dos usuários, acabam sendo usados como uma forma de censura na empresa, criando uma cultura de “sigilo absoluto” sobre o que cada um faz em sua rotina de trabalho. Isso também acaba restringindo eventuais críticas sobre determinadas posturas da empresa.

publicidade

“Apesar dos melhores esforços da empresa para nos manter calados, escrevemos para exigir que a cultura de medo e sigilo excessivo da empresa termine hoje”, escreveram os moderadores. “Nenhum NDA (acordo de não-divulgação) pode nos impedir legalmente de falar sobre nossas condições de trabalho.”

Funcionário do Facebook

Os conflitos do Facebook com seus funcionários por conta das regras de restrição de conteúdo não são de hoje. Os moderadores dizem que o trabalho de remover conteúdo proibido da rede social é prejudicial a saúde mental, e gostariam de poder falar sobre isso com psiquiatras e psicólogos. Lembrando que esses trabalhadores são frequentemente expostos a publicações com conteúdo violento, sexual e criminoso.

“Você não pode ficar ileso. Este trabalho não deve nos custar nossa saúde mental”, diz outro trecho da carta. “Imagine assistir horas de conteúdo violento ou abuso infantil online como parte do seu dia a dia de trabalho”, completa ainda. Pelo menos 60 pessoas que atual no Facebook em diversas partes do mundo assinaram o pedido.

O Facebook por sua vez rebateu as críticas dos funcionários e disse que os moderadores recebem ajuda para lidarem sua saúde mental. “Reconhecemos que revisar o conteúdo pode ser uma tarefa difícil, por isso trabalhamos com parceiros que apoiam seus funcionários por meio de treinamento e apoio psicológico ao trabalhar com conteúdo desafiador”, disse a empresa.

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!