No ano de 2019, cirurgiões vasculares da Escola de Medicina e Ciências Biomédicas Jacobs da Universidade de Buffalo organizaram o primeiro Encontro Vascular Feminino, com participantes de todo o país. O objetivo era lançar uma discussão entre os médicos sobre como a doença vascular, que é uma doença dos vasos sanguíneos, junto com as artérias e as veias, pode ser diferente nas mulheres e nos homens.

A pesquisa se transformou em um livro, chamado “Doença vascular em mulheres: uma visão geral da literatura e recomendações de tratamento” e foi é editado por Linda M. Harris, professora de cirurgia na Jacobs School e diretora do programa da residência em cirurgia vascular da UB.

publicidade

O objetivo do livro é educar melhor os profissionais de saúde sobre as diferenças na apresentação e resultados das doenças vasculares em mulheres, e também destacar as questões que ajudarão a tornar o diagnóstico e o tratamento adequado mais prováveis.

“Quero que os médicos comecem a pensar sobre as doenças vasculares nas mulheres, para entender que muitas mulheres têm doenças vasculares, mas sua apresentação não será um livro didático”, disse Harris, um cirurgião vascular com cirurgia UBMD. 

Segundo Harris, é importante que “saibam que se uma mulher apresentar sintomas, eles devem considerar fazer alguns testes porque sua apresentação simplesmente não será clássica, já que os sintomas dos livros didáticos tendem a se basear na apresentação em homens”.

Leia mais:

Por exemplo, entre os tópicos que o livro explora está o fato de que uma mulher que sofre um derrame pode ter sintomas diferentes dos de um homem.

“Pode não ser fraqueza em um braço ou perna como pode ser em um homem, mas pode se apresentar de forma diferente no início, como um problema de memória repentino, e o médico pode não estar esperando isso”, explicou Harris.

Além disso, de acordo com Harris, às vezes as mulheres desenvolvem doenças vasculares mais tarde do que os homens normalmente, por isso são mais frágeis, o que também afeta seus sintomas. Ela disse que os médicos precisam saber, também, que as mulheres podem ter aneurismas em diferentes partes do corpo do que os homens, para que possam fazer esses diagnósticos mais imediatamente. 

 “Mulheres que fumam ou têm um histórico familiar de aneurismas devem ser consideradas para triagem, de acordo com as recomendações da Society for Vascular Surgery, o que não foi feito normalmente porque a doença vascular foi incorretamente vista como menos comum em mulheres”, finalizou.

Por fim, o livro discute como questões de raça e cultura, como preconceito inconsciente, desempenham um papel em afetar como a doença vascular em mulheres se manifesta e é diagnosticada.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!