O Facebook divulgou nesta quarta-feira (28) que a sua receita cresceu 56% no segundo trimestre deste ano. Segundo o The Verge, isso significa que a companhia de Mark Zuckerberg cresceu mais rápido que outras gigantes do mercado como a Apple e a Microsoft no mesmo período, gerando uma quantia de US$ 29 bilhões.

Em lucro, o crescimento foi ainda mais expressivo: 101%, o que corresponde a US$ 10,4 bilhões. A fatia de usuários da rede social e de outros serviços da companhia, como o Instagram e o WhatsApp, também aumentou 12% em relação ao segundo trimestre de 2020, gerando por si só uma receita de US$ 2,76 bilhões.

publicidade

Apesar da boa notícia, o CFO do Facebook, David Wehner, relatou aos investidores que o crescimento da empresa deve desacelerar de forma significativa no segundo semestre.

Dentre os culpados, o executivo citou as “mudanças regulatórias” adotadas pela Apple nas versões mais recentes do iOS, que restringem o rastreamento de anúncios no iPhone.

Wehner também citou o aumento momentâneo no uso de plataformas do Facebook no ano passado por conta da pandemia e do isolamento social, algo que também gradualmente voltará à normalidade nos próximos meses com o avanço da vacinação contra Covid-19.

Leia mais:

Ações em alta e foco nos anúncios digitais

Desde o início do ano, as ações do Facebook já acumulam alta de 39%. Contudo, o alerta do CFO fez com que os papéis da empresa caíssem cerca de 3%.

Vale destacar que a indústria de anúncios digitais é outro segmento que está crescendo rapidamente. Fato que também pode beneficiar o Facebook com mais lucro em publicidade, mesmo que sua capacidade total de alcance seja prejudicada pelas novas medidas da Apple.

Um sinal de força do Facebook em publicidade é o preço cobrado de anunciantes para mostrar anúncios aos usuários, visto que o sistema é executado por meio de um leilão que aumenta os valores conforme a demanda.

Atualmente, o preço médio por anúncio no Facebook cresceu 47% em relação ao segundo trimestre de 2020. Wehner afirma que a divisão de publicidade pode ser a principal impulsionadora de receita da companhia para este ano.

Zuckerberg quer criar o seu próprio metaverso

Imagem mostra o Oculus Quest 2, óculos de realidade aumentada e realidade virtual do Facebook
Oculus Quest recebeu novos recursos recentemente e abriu caminho para o metaverso do Facebook. Crédito: Reprodução/Oculus Facebook

Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, também anunciou esta semana que formará uma nova equipe interna para o grupo de serviços da rede social. O objetivo é avançar em um dos novos projetos ambiciosos da empresa: construir seu próprio espaço na internet baseado em realidade virtual e aumentada.

Zuckerberg, que apelidou a novidade como ‘Metaverse’ (em português, ‘metaverso’, termo usado para descrever ambientes virtuais em produções de ficção científica), diz que o serviço do Facebook será pioneiro e o “sucessor da internet móvel” como a conhecemos.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!