A atividade física desempenha um papel importante para a saúde. O movimento da musculatura resulta no gasto de energia, fundamental para a disposição e bem-estar, bem como para o combate ao sedentarismo e no tratamento de doenças, como a obesidade. Contudo, especialistas alertam que a prática deve ser realizada de forma regular, com uma intensidade moderada e o auxílio de um professor especializado para que não leve a lesões graves.

O ortopedista Márcio Rocha, do Hospital de Urgências de Sergipe Governador João Alves Filho, afirma que as lesões mais comuns durante os treinos em academias, de um modo geral, acontecem devido ao uso excessivo de determinado músculo, fruto da inexperiência ou da falta de auxílio de um instrutor.

publicidade

Segundo a Infonet, esse uso descomedido da musculatura, somado a repetição de movimentos, costuma gerar uma espécie de estresse em diversas partes do corpo, tais como, articulações, tendões, músculos, cartilagens, entre outros. Além disso, quanto mais complexo o esporte, mais partes do corpo são trabalhadas e, consequentemente, mais órgãos estão sujeitos a lesões.

Para evitar lesões, especialistas reforçam a necessidade de acompanhamento profissional em atividades de alto risco, como musculação. Eles também afirmam que, para trazer maximizar os benefícios, os exercícios devem ser cotidianos e de intensidade moderada. Créditos: Shutterstock

Ademais, o Dr. Márcio Rocha – que é especialista em traumatologia e cirurgia do pé, tornozelo e joelho – aponta outra problemática de treinos sem o acompanhamento adequado em academias: as lesões causadas pela utilização de um peso maior do que o suportável, muito comum em jovens que desejam obter músculos de forma rápida.

“Levantar uma quantidade de peso maior do que o corpo pode suportar, principalmente se a prática for realizada sem a assistência de um profissional, além de sobrecarregar a musculatura, impede a recuperação natural do corpo ao estresse submetido. É por esse motivo que as lesões graves surgem”, explicou o ortopedista.

E foi exatamente o que aconteceu há dois anos com o estudante Victor Ferreira Silva, de 23 anos. Ele sofreu uma fratura na clavícula por atividade mal executada na academia. Sete meses depois da lesão, Victor decidiu procurar um educador físico para voltar a praticar exercícios físicos.

“Antes eu chegava em casa com muitas dores por causa do esforço exagero e no dia seguinte nem conseguia voltar para treinar. Ainda sinto o resultado da fratura e não posso abusar da lesão que sofri, por isso, busquei ajuda de um personal trainer para que o treino fosse elaborado dentro das minhas limitações e os resultados têm sido positivos”, disse o estudante.

Leia mais:

A importância da instrução especializada para atividades de alto risco, como é o caso da musculação, é uma orientação constante entre os profissionais da saúde. O ortopedista Márcio Rocha ressalta que toda e qualquer musculação deve ser feita sob acompanhamento de um professor capacitado na modalidade e que zele pela técnica adequada dos movimentos e pesos corretos para o objetivo do treinamento.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!