Mais um processo chega à desenvolvedora Activision Blizzard. Nesta quarta-feira (4), uma ação coletiva foi movida contra a empresa no Tribunal Distrital dos Estados Unidos na Califórnia, alegando que a companhia enganou os investidores com declarações falsas de maneira proposital.

Os investidores alegam no processo que houve falha intencional da Activision Blizzard em divulgar os contínuos problemas com assédio sexual e discriminação para inflar artificialmente o preço das ações da desenvolvedora. O resumo disso tudo é que, caso os investidores soubessem do que realmente acontecia na companhia, não teriam investido nela.

publicidade

Leia mais:

Desde o dia 21 de junho, as ações da Activision Blizzard têm caído. Ou seja, desde a notícia de que a empresa estava sendo processada pelo Departamento de Trabalho e Moradia Justa da Califórnia, na ação inicial que diz que a companhia promoveu anos de abuso e discriminação contra as funcionárias.

Como votar no Olhar Digital no segundo turno do Prêmio Influency.me

A nova ação cobre qualquer pessoa que tenha negociado títulos da Activision Blizzard entre 4 de agosto de 2016 e 27 de julho de 2021. Ela busca indenização com base nas violações dos réus das leis de títulos federais ao emitir declarações materialmente falsas e enganosas durante o período de ação coletiva. Na última terça-feira (27), as ações caíram mais de 6%, perdendo mais 5% nos dias que seguiram e fechando a US$ 79,89 nesta terça (3).

activision Blizzard assédio sexual
A Activision Blizzard é acusada de discriminação e assédio sexual. Imagem: Piotr Swat / Shutterstock.com

Além de citar a empresa, o processo cita o CEO Bobby Kotick , o CFO Dennis Durkin e o ex-CFO Spencer Neumann. Os três executivos são tidos como fundamentais na divulgação das informações falsas, através de certificações SOX anuais da Activision Blizzard. A denúncia diz que eles “sabiam ou desconsideraram imprudentemente o fato de que as declarações falsas e enganosas estavam sendo feitas a respeito da Empresa”.

Essas certificações SOX se referem à Lei Sarbanes-Oxley de 2002, que visa proteger o público de atividades fraudulentas e errôneas de empresas de capital aberto. Assim, essas companhias precisam lançar uma SOX anualmente, assinada pelos executivos, divulgando quaisquer questões jurídicas, investigações e auditorias. Qualquer coisa que possa afetar o valor do negócio.

Via: Kotaku / Arstechnica

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!