Após três adiamentos da missão de teste de voo orbital 2 (OFT-2), em razão de um problema no sistema de propulsão, a cápsula Starliner foi recolhida de volta ao hangar da Nasa para que a Boeing realize uma análise mais aprofundada sobre as causas da falha ocorrida nas válvulas. 

Cápsula Starliner da Boeing
Cápsula CST-100 Starliner, da Boeing, sendo montada no topo de um foguete Atlas V da United Launch Alliance. Imagem: United Launch Alliance/Reprodução

Engenheiros da Boeing detectaram o aparecimento de indicadores inesperados da posição de válvulas no sistema de propulsão, depois que tempestades elétricas atingiram o Centro Espacial Kennedy, na última segunda-feira (2).

publicidade

“A equipe é firme em seu compromisso de identificar a causa raiz e determinar as próximas etapas”, disse John Vollmer, vice-presidente e gerente de programação do Programa de Tripulação Comercial da Boeing, em um comunicado da empresa. “Desenvolver soluções de maneira disciplinada e permitir que os dados conduzam nosso planejamento é fundamental, e a equipe está trabalhando para garantir que nossa espaçonave voe quando estiver pronta”.

A companhia aeroespacial informou que várias causas em potencial para a falha já foram descartadas, mas precisam de mais tempo para fazer uma avaliação completa.

publicidade

“As equipes da Boeing e da Nasa estão trabalhando metodicamente para entender o que causou as indicações das válvulas no sistema de propulsão do módulo de serviço Starliner”, disse Steve Stich, gerente do Programa de Tripulação Comercial da Nasa. “A solução de problemas no Vertical Integration Facility ajudará a focar nas causas potenciais e nas próximas etapas antes de voarmos na missão OFT-2”.

Problemas com a Starliner são recorrentes

Os problemas com a Starliner começaram a aparecer desde a primeira missão de voo, no ano passado. A decolagem teve sucesso, mas um problema no gerenciamento de combustível impossibilitou a entrada correta na órbita terrestre e o encontro com a estação espacial internacional, que completaria a missão.

publicidade

No dia 30 de julho, a segunda versão da Starliner foi impedida de decolar por um incidente que não teve nada a ver com ela: o módulo russo Nauka teve uma falha de funcionamento, acionou os propulsores e “empurrou” a ISS para fora da posição ideal.

Assim, a decolagem foi marcada, então, para o dia seguinte. No entanto, os problemas no sistema de propulsão começaram a aparecer, causando mais dois adiamentos.

publicidade

Leia mais:

Nova data de lançamento dependerá da agenda da ISS

A Nasa está esperando as conclusões da Boeing para anunciar uma nova data de lançamento para a missão. No entanto, a Starliner precisará se encaixar em uma agenda lotada para a Estação Espacial Internacional, que estará agitada nos próximos meses.

Na próxima semana, a Northrop Grumman lançará um carregamento para o laboratório orbital; no final deste mês, será a vez da SpaceX seguir com sua própria carga de suprimentos. Em setembro, os cosmonautas russos Oleg Novitsky e Pyotr Dubrov iniciarão uma série de 11 caminhadas espaciais para concluir a configuração do módulo Nauka e, em outubro, a Rússia e a SpaceX lançarão missões tripuladas à ISS.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!