Nesta sexta-feira (13), o Governo do Paraná confirmou o primeiro caso da variante Lambda, que é originária do Peru. O diagnóstico foi feito em uma mulher de 38 anos, moradora de Londrina, no norte do Paraná, que não tem doenças associadas e não estava vacinada contra a doença.

Segundo a Secretaria do Estado da Saúde, a moradora coletou exames em 9 de julho, quatro dias depois de sentir os primeiros sintomas da doença. Ele não precisou ser internada, por mais que apresentasse sintomas leves, como dor de garganta, cefaleia e tosse.

publicidade

A descoberta da nova variante ocorreu após o sequenciamento genômico realizado pela Fiocruz, em uma amostragem aleatória encaminhada pelo Laboratório Central do Estado (Lacen). A variante Lambda foi identificada no Peru no final de 2020 e é considerada pela Organização Mundial da Saúde como ‘variante de interesse’, pois é necessário reforçar o monitoramento e cuidado.

Segundo os pesquisadores, essa variante não tem tanta virulência e transmissibilidade. Os dados sobre os sintomas mais comuns são estudados, conforme o governo.

Leia mais:

Ademais, a confirmação da variante Lambda, o estado anunciou mais dois casos confirmados da variante Delta entre as 91 amostras processadas nos últimos dias. Sendo que um desses casos também é de uma moradora de Londrina.

Porém, ainda não há informações sobre o estado de saúde e vacinação do caso de Londrina. Inclusive, a transmissão dessa cepa é presente em todo o estado, são 56 casos confirmados e 18 mortes provocadas por essa variante.

Fonte: G1