A National Highway Traffic Safety Administration (“Administração Nacional de Tráfego Rodoviário”), maior agência de segurança veicular dos EUA, está lançando uma investigação contra a empresa de Elon Musk. A acusação é que os acidentes estão sendo causados pelo piloto automático dos carros elétricos da Tesla. É algo que já causou alguns incidentes notórios.

A agência vai investigar os Modelos Y, X, S e 3, produzidos entre 2014 e 2021, numa frota total de 765 mil carros circulando hoje.

publicidade
Acidente com carro da Tesla no piloto automático, em abril de 2021. Imagem: Scott J. Engle/TWSJ

“A maioria dos incidentes ocorreu após o anoitecer as cenas dos acidentes incluíram medidas de socorro, como luzes de veículos de emergência, sinalizadores e uma placa com uma seta iluminada, e também cones de sinalização”, diz o relatório. A suspeita da NHTS é de que o piloto automático da Tesla esteja se confundindo com essas luzes, acreditando que veículos de segurança parados estão em movimento.

Fácil demais de ligar

Uma outra preocupação investigadores é sobre a facilidade com que o piloto automático pode ser ativado. Ele exige que os usuários mantenham as mãos no volante, mas é possível tapear o sistema apenas tocando o volante de tempos em tempos. O sistema também é planejado somente para ser usado em estradas, mas pode ser ativado na cidade. Em maio deste ano, um homem, foi preso andando no banco de trás com seu Tesla no piloto automático, sem chegar a causar um acidente.

Ano passado, a Agência já havia se manifestado sobre os acidentes desse tipo, dizendo que o sistema de monitoramento de engajamento do motorista – isto é, o que testa se ele está prestando atenção – é “ineficiente”. Na ocasião, o chefe da agência, Robert L. Sumwalt, afirmou que “É hora de parar de permitir a motoristas em qualquer veículo parcialmente automatizado fingirem que tem carros que dispensam motorista”.

O relatório tem o potencial para obrigar a Tesla a fazer recall de todos os seus veículos dos modelos afetados.

Com informações de The New York Times