Mais uma para colocarmos na conta do aquecimento global, já que, por causa dele,  uma “guerra sobre água” vem se formando na Califórnia, EUA, e pode levar à morte de grandes quantidades de salmão e outros peixes da região, além de piorar a produção agrícola de bens que necessitam de irrigação para o plantio, como o arroz

Para entender a situação, é necessário um pouco de contexto: durante a atual seca do estado norte-americano, produtores de cereais, como o arroz, estão desviando rios californianos a fim de assegurar a irrigação de suas plantações. Entretanto, isso reduz o nível de água disponível para criadores de peixe, que buscam desvios próprios para continuar seus trabalhos na oferta de produtos da gastronomia marítima.

publicidade

Leia também

Montagem mostra um cardume de salmões e uma plantação de arroz, lado a lado. Produtos estão ameaçados pelo aquecimento global e a "guerra sobre água" que ele gerou nos EUA
O salmão e as plantações de arroz dependem quase que exclusivamente da água para serem produzidos e comercializados, mas a seca gerada pelo aquecimento global baixou os níveis hídricos da Califórnia, forçando produtores a adotarem medidas que podem matar os dois produtos. Imagem: Jakub Rutkiewicz/Natalia Rezanova/Shutterstock

Em meio a isso, o aumento da temperatura das águas, aliado ao espaço cada vez mais reduzido em rios e lagos de água doce, podem fazer de viveiros naturais de salmão e outras espécies uma espécie de “frigideira”, onde os peixes vão acabar cozinhando vivos antes de atingirem a maturidade sexual e conseguirem se reproduzir.

O governo da Califórnia tem emitido restrições legais, estabelecendo um volume máximo de desvio e até reduzindo a capacidade dos fazendeiros, pesqueiros e outros empresários do ramo de produzirem seus bens. Mas isso vem fazendo pouco para conter os ânimos das duas indústrias, que comumente vão à Justiça uma contra a outra.

“Nós temos que mudar o nosso foco, de pensar nesta seca como uma emergência que ocorre de vez em quando, para algo em um contexto mais a longo prazo”, disse Jeanine Jones, gerente de recursos interestaduais no Departamento de Recursos Hídricos da Califórnia.

Direitos sobre a água são um problema legal que remonta desde os anos da Corrida do Ouro, que na Califórnia durou de 1848 a 1855. Desde aquela época, a legislação tende a favorecer fazendeiros, empresas e cidades cujos direitos foram comprados até 1914; ou proprietários de terra cuja estrutura esteja no caminho ou vizinho a um rio. Esses geralmente são os últimos afetados por qualquer restrição.

Mas esse problema também afeta o Brasil: a bacia do Paraná, por exemplo, está enfrentando a pior crise hídrica já vista em 91 anos. A falta de água se dá muito pelo governo federal tomar para si os recursos hídricos a fim de usá-los em usinas hidrelétricas que vão levar energia para os estados da região sul. O problema é que populações dependentes dessas águas acabam ficando sem uma forma de posicionar seus produtos.

Voltando à Califórnia, há ainda que se considerar a questão econômica: como cereais como arroz e peixes como o salmão vão ficando mais escassos, qualquer montante obtido desses dois produtos virá a preços escalados. Isso se reverte no aumento de preços de revenda e, consequentemente, nos que o consumidor paga.

Por exemplo: restaurantes de comida japonesa usam salmão e também arroz. Como os dois produtos estão mais caros, vários restaurantes já revisaram seus preços nos cardápios, a fim de compensar valores mais altos pagos na aquisição de suas matérias-primas e na elevação de custos trabalhistas.

“Os preços agora flutuam em uma base diária, muito mais do que qualquer outra época que eu me lembre, e olha que estou no mercado de restaurantes há mais de 20 anos. É assustador”, disse Tony Gentile, co-proprietário da cadeia de restaurantes Flagship, que tem 15 unidades espalhadas pelos EUA. O empresário admite, ainda, que estuda a ideia de importar remessas de arroz e salmão do Japão – uma vez que, segundo ele, os preços de produção interna estão se igualando aos que são internacionalmente tarifados.

Na pesca, outro exemplo, o impacto pode ser ainda maior: salmões jovens são soltos na água a fim de amadurecerem e gerarem novos peixes. Entretanto, o aumento de temperatura da água está fazendo com que eles procurem partes mais amenas do Oceano Pacífico, efetivamente bagunçando a ordem alimentar dos animais da região, além de trazer uma disrupção negativa em uma indústria que, anualmente, rende aproximadamente US$ 900 milhões (R$ 4,73 bilhões) ao estado da Califórnia.

“Cidades como São Francisco e Oakland já foram enormes pólos da indústria de pesca na costa oeste, mas à medida em que desviamos águas dos rios e destruímos habitats de reprodução marítima, esses pesqueiros entraram em colapso”, disse Jon Rosenfield, cientista sênior do grupo ambiental San Francisco Baykeeper.

Ainda assim, a competição causada pelo aquecimento global – essa “guerra sobre água” – dá sinais de que vai ficar mais acalorada, ao invés de reduzir seu nível. O Ato em fvor de Espécies Ameaçadas (Endangered Species Act), desenhado pelo governo para proteger espécies em risco de caça predatória, teve algumas restrições relaxadas pela administração do ex-presidente Donald Trump. A gestão do atual presidente, Joe Biden, está revisando esses relaxamentos e estudando como voltar a “apertar o laço”.

Por enquanto, porém, a situação não dá sinais de mudança, e reguladores terão que enfrentar produtores agrícolas e profissionais da pesca na justiça.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!