A população do Afeganistão vive momentos de incerteza e medo com a volta do Talibã ao governo do país. Como governo autoritário, os grandes alvos de opressão são minorias. Lá, principalmente as mulheres. A diretora Sahraa Karimi, primeira mulher a presidir a companhia cinematográfica estatal afegã, a Afghan Film, pede apoio da comunidade internacional, com a crescente ameaça a mulheres e à liberdade de expressão no país.

Karimi escreveu uma carta aberta e publicou em sua conta no Twitter, na última sexta-feira (13). “Tudo o que trabalhei tanto para construir como cineasta em meu país corre o risco de colapsar. Se o Talibã assumir, eles irão proibir toda a arte. Eu e outros cineastas podemos ser os próximos em sua lista de alvos. Eles vão tirar os direitos das mulheres, seremos empurradas para as sombras de nossas casas e de nossas vozes, nossa expressão será abafada no silêncio”, escreveu.

publicidade

Leia mais:

A diretora chegou ao cargo de presidente da estatal em 2019. Ainda na carta, Sahraa Karimi listou algumas das pessoas já vítimas do Talibã em sua investida até o governo. “Eles torturaram e mataram um dos nossos amados comediantes, assassinaram um dos nossos poetas historiadores, assassinaram o chefe de cultura e mídia do governo, estão matando pessoas afiliadas ao governo, enforcaram homens publicamente”, disse.

A cineasta apela para que os auxiliem a fazer com que o mundo se preocupe com o que está acontecendo com a população. Karimi cita um meio de ajudar informando aos meios de comunicação mais importantes dos países. “Sejam nossas vozes foram do Afeganistão”, prosseguiu a diretora.

A Afghan Filme, presidida por Sahraa Karimi, foi fundada em 1968. Mas, sob o governo do Talibã, a arte foi proibida. Nas duas últimas décadas, os cineastas voltaram, após a invasão dos Estados Unidos no país, em 2001, que abriu também espaços políticos e escolas para mulheres e meninas afegãs.

Em 2003, o drama ‘Osama’, de Siddiq Barmak, ganhou o Globo de Ouro de Melhor Filme em Língua Estrangeira. ‘Kandahar’, do diretor iraniano Mohsen Makhmalbaf, gravado no Afeganistão, recebeu o prêmio do júri em Cannes. Já ‘Buzkashi Boys’, de 2012, foi indicado ao Oscar de Melhor Curta. O longa mais recente de Karimi é ‘Hava, Maryam, Ayesha’, que estreou em Veneza, em 2019.

Cena do filme 'Hava, Maryam, Ayesha', de Sahraa Karimi. A personagem grávida está do lado direito da imagem, tocando a barriga.
‘Hava, Maryam, Ayesha’ é o filme mais recente de Sahraa Karimi. Imagem: Reprodução

Via: Indie Wire

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!