O formato da ViaLáctea, segundo o consenso científico, é o de uma espiral com vários braços. Entretanto, um grupo de cientistas identificou o que parece ser uma espécie de “ponta solta” em um desses braços, formado majoritariamente por densas nuvens de gás e estrelas jovens.

Tecnicamente, ainda não nos é possível afirmar categoricamente a estrutura completa da Via Láctea, já que a Terra está dentro dela. Pense assim: é impossível, por exemplo, desenhar todo o seu bairro estando dentro da sua casa, considerando que você não tem como saber as proporções e posicionamento de prédios, casas e ruas que estão fora de seu campo de visão.

publicidade

Leia também

Gráfico mostra uma inclinação no Braço de Sagitário, parte da Via Láctea onde cientistas encontraram uma ponta solta de estrelas e gás
Gráfico mostra a inclinação identificada por astrônomos, que puderam confirmar uma “ponta solta” em um dos braços da espiral que compõe a Via Láctea. Imagem: Nasa/Caltech/Divulgação

Entretanto, algumas pistas que indicam o formato espiralado da nossa “casa” no espaço puderam ser afirmadas por cientistas: a velocidade de movimento de nossas estrelas e nuvens gasosas não é aleatória, o que sugere um formato espiralado fixo. O conteúdo gasoso, o volume dele e suas cores também são iguais a outras galáxias espiraladas que já observamos daqui.

Entretanto, a Via Láctea não parece ser assim tão exata em seu formato: localizada a uns 3 mil anos-luz de distância da Terra, essa ponta solta de estrelas se assemelha a uma tábua de madeira com farpas nas laterais. Astrônomos, então, analisaram essa parte específica — conhecida como “Braço de Sagitário” — com o Telescópio Espacial Spitzer em janeiro de 2020, antes de sua aposentadoria. Sua tecnologia que capta a luz infravermelha (invisível aos olhos), separando-a daquilo que a visão humana consegue enxergar, permitiu a ele identificar estrelas recém nascidas. Foi aí que eles viram o formato estranho.

“Uma propriedade essencial dos braços espiralados é a forma ‘apertada’ de como eles flutuam pela galáxia”, disse Michael Kuhn, astrofísico da Caltech e autor primário de um novo paper sobre a descoberta. “Um círculo tem uma angulação de zero graus, e à medida que a espiral vai se abrindo, essa angulação aumenta. A maioria dos modelos da Via Láctea sugere que o Braço de Sagitário forma um braço com angulação de 12 graus, mas a estrutura que identificamos se destaca fortemente, com uma angulação de 60 graus”.

A descoberta serve para confirmar uma suspeita que sempre existiu na comunidade científica: outras galáxias espiraladas apresentavam formas destacadas de sua formação central, então sempre houve a dúvida se a nossa casa também tinha essa característica.

A “ponta solta” descoberta na Via Láctea contempla quatro grandes nuvens de gás (ou “nebulosas”): a Águia (onde estão os “Pilares da Criação” — assim nomeados pela sua aparência similar a tentáculos e por ser um ponto de nascimento de várias estrelas), a Ômega, a Trífida e a Laguna. Por causa da análise conjunta de cada uma dessas partes, astrônomos da década de 1950 conseguiram determinar a existência do Braço de Sagitário.

“A distância é uma das medidas mais difíceis de ser afirmada na astronomia”, disse Alberto Krone-Martins, co-autor e palestrante da Universidade da Califórnia, e membro do Consórcio Gaia de Análise de Dados (DPAC). “Somente as medidas de distância tomadas recentemente pelo Gaia tornam a geometria dessa estrutura tão evidente”, finalizou, citando o telescópio espacial da agência espacial europeia (ESA).

Ao unir as informações do Spitzer e do Gaia, os cientistas conseguiram uma visão tridimensional da região, obtendo a percepção mais aprofundada da complexidade do formato dessa parte da Via Láctea — algo inédito anteriormente.

Embora ainda não tenhamos a capacidade de informar o motivo que leva uma galáxia a adquirir esse formato em espiral, Kuhn e Krone-Martins se sentem suficientemente confortáveis para dizer que a ponta solta da Via Láctea é formada por estrelas que muito provavelmente nasceram na mesma época, com composições quase iguais e, certamente, influenciadas pelos mesmos fatores.

A expectativa é a de que estudos futuros identifiquem quais foram esses pontos chave e, com sorte, nos dar mais detalhes sobre como a nossa casa no espaço se formou por completo.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!