No fim de maio, a Organização Mundial de Saúde (OMS) criou novas nomenclaturas para as variantes do coronavírus. Até então conhecidas por seus respectivos países de descoberta, as cepas da Covid-19 passaram a ser chamadas de variante: Alfa, Beta, Gama e Delta. Essas quatro são as variantes de preocupação.

A OMS ainda classificou outras seis cepas como variantes de interesse, que foram localizadas em um grupo grande de pessoas e são potencialmente perigosas, mas ainda está sendo estudadas. No total, 10 letras do alfabeto grego foram usadas na nomenclatura das duas classificações.

publicidade

Entenda a variante Alfa, Beta, Gama e Delta

Variante Alfa (B.1.1.7)

Essa foi a primeira variante de preocupação descoberta e, por isso, recebeu a primeira letra do alfabeto grego. A cepa foi relatada pela primeira vez em setembro de 2020 no Reino Unido e foi responsável por uma explosão de casos na região.

A variante Alfa da Covid-19 é considerada com uma taxa de transmissão entre 30% e 50% maior do que a versão original do vírus. Não há comprovação de que a cepa é mais letal ou que cause mais hospitalizações.

A cepa causou estrago no Reino Unido e nos Estados Unidos. No Brasil, a variante Alfa não teve um crescimento tão grande de casos da Covid-19, já que o país na época estava com uma crescente de casos da Gama. Essa cepa possui um total de 22 mutações, sendo a principal delas a N501Y.

Variante Beta (B.1.351)

Essa variante da Covid-19 foi descoberta em dezembro de 2020 na África do Sul e possui a mesma mutação da Alfa além de outras como a K417N e a E484K. A principal preocupação dessa cepa é com a imunidade concedida pelas vacinas.

A AstraZeneca chegou a ser apontada como tendo baixa eficácia contra ela, mas isso não chegou a ser comprovado. A Moderna e a Pfizer tiveram sua proteção confirmada.

Variante Gama (P.1)

Essa variante foi descoberta no Brasil, em Manaus e foi responsável por uma enorme onda de casos de Covid-19 na capital do Amazonas. Possui características semelhantes a Beta, sendo mais transmissível. Todas as vacinas são eficazes contra ela com duas doses, indicam os estudos.

Variante Delta (B.1.617.2)

A variante Delta se originou na Índia, é 50 a 80 vezes mais transmissível do que a cepa Alpha original do coronavírus, de acordo com a Dra. Tina Tan. Ela é professora especializada em doenças infecciosas pediátricas na Feinberg School of Medicine da Northwestern University, em Chicago.

Leia mais:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reiterou recentemente que todos deveriam usar máscaras, e países como Israel reinstituíram os requisitos de máscara à medida que as infecções com a variante Delta aumentam. Algumas cidades da Austrália iniciaram novos bloqueios sobre a variante Delta, enquanto países como a Malásia prorrogaram seus pedidos de estadia em casa.

O alto nível de infecciosidade da Delta significa que ela representa um risco maior para pessoas não vacinadas, particularmente em partes dos Estados Unidos onde as taxas de vacinação caíram, acrescentou.

É importante destacar que as duas doses das vacinas combatem as variantes. Então é necessária uma proteção completa para garantir a segurança.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!