Pesquisadores médicos da Austrália do Sul descobriram que as células do câncer de próstata usam uma estratégia para crescer mais rápido e resistir aos métodos de terapias contra a doença. O estudo, publicado na revista internacional eLife, aponta ainda que este pode ser o segredo para destruí-las.

De acordo com o Medical Xpress, o professor associado Luke Selth, do Flinders Health and Medical Research Institute (FHMRI), os tumores de próstata alteram seu metabolismo usando açucares e gorduras do corpo para recarregarem suas energias e, assim, crescerem em maior velocidade. Uma das enzimas que faz parte da produção de energia é chamada de 6PGD (ou P6GD), sendo ela a responsável por dar apoio aos planos de sobrevivência das células do câncer.

publicidade

“As células do câncer de próstata são muito diferentes das células normais da próstata em muitos aspectos, mas uma das diferenças mais marcantes é como os tumores usam açúcares e gorduras para a produção de energia e para crescer rapidamente. Neste estudo, descobrimos que uma proteína chamada 6PGD pode apoiar a sobrevivência de próstata cancerosas células quando elas estão a ser desafiadas com uma terapia hormonal, que é atualmente utilizada na clínica”, explicou o médico e pesquisador.

Câncer de próstata. Imagem: Shutterstock
Estratégia de sobrevivência do câncer de próstata pode ser segredo para novo tratamento; entenda. Imagem: Imagem Point Fr/iStock

“Achamos que esta é uma descoberta significativa porque potencialmente representa um novo mecanismo pelo qual as células do câncer de próstata podem se tornar resistentes às terapias hormonais, que são o tratamento padrão para homens com doença avançada e metastática”, ressaltou Selth.

Para a professora Lisa Butler, da Universidade de Adelaide e do Instituto de Pesquisa Médica e de Saúde da Austrália do Sul (SAHMRI), as descobertas significam que, sendo possível inibir essa via de estratégia, pode ser possível o desenvolvimento de uma nova terapia contra o tipo de câncer.

“Usando as tecnologias mais recentes, geramos uma visão incrivelmente detalhada de como 6PGD influencia o metabolismo do câncer de próstata. É importante ressaltar que nosso trabalho identificou alguns agentes clínicos que podem ser capazes de interromper essa via, então é possível que nossos resultados possam ser usados para desenvolver uma nova terapia direcionada para esta doença comum “, explanou a professora e também coautora sênior do estudo.

Leia mais!

A falta de proteína 6PGD pode levar à oxidação e consequentemente a destruição de células do corpo. Assim, o estudo mostrou que inibidores de 6PGD podem também matar células cancerosas. Os testes feitos em laboratório foram eficazes e anularam, inclusive, tumores reais retirados diretamente de pacientes com câncer. A pesquisa mostrou ainda que a descoberta combinada com a terapia hormonal já existente obtém resultados mais eficazes.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!