A perda ou alteração do paladar, boca seca e feridas são comuns entre os pacientes com Covid-19 e esses sintomas podem durar muito depois de outros desaparecerem, relatam pesquisadores brasileiros. Quase 4 em cada 10 pacientes com o vírus experimentam paladar prejudicado ou perda total, mas a boca seca afeta ainda mais – até 43%, de acordo com sua ampla revisão de mais de 180 estudos publicados. Ele analisou os sintomas de saúde bucal em quase 65.000 pacientes com coronavírus em todo o mundo.

“Com relação aos pacientes Covid-19 especificamente, a mensagem importante é manter hábitos saudáveis ​​de saúde bucal durante a doença, se eles puderem fazer isso”, disse o Dr. Edmond Hewlett, porta-voz da American Dental Association que revisou as descobertas. 

publicidade

“A boca seca aumenta significativamente o risco de cárie dentária  então escovar duas vezes ao dia com um creme dental fluoretado, usar fio dental uma vez ao dia, limitar os lanches e evitar alimentos e bebidas açucarados são as melhores maneiras de manter a saúde bucal”, complementou.

A maioria das pessoas está ciente de que a perda do olfato e do paladar são os principais sintomas da infecção pelo vírus SARS-CoV-2. Porém, a revisão da pesquisa feita por uma equipe liderada pelo pesquisador da Universidade de Brasília ENS Guerra identificou uma série de variações sobre o tema.

Os pesquisadores descobriram que as complicações pareciam ser mais comuns entre os pacientes europeus, afetando cerca de metade. Em comparação, um terço dos pacientes americanos com Covid-19 e um quarto dos pacientes latino-americanos relataram o mesmo.

Leia mais:

Alguns pacientes com Covid também relataram lesões na língua ou sob a língua ou ao longo das gengivas e lados da boca, concluiu o estudo. Hewlett disse que essas complicações não são exclusivas da Covid-19. Isso porque não está claro o motivo de alguns desenvolverem problemas orais e outros não, mas mesmo uma infecção leve pode envolver algum grau de interrupção oral.

De acordo com Hewlett, embora não esteja claro por quanto tempo os sintomas orais podem persistir, parece que eles podem fazer parte dos sintomas conhecidos como “Covid longo”. O termo se refere a pacientes que continuam a lutar com problemas de saúde relacionados a doença, mesmo após meses se recuperados de muitos de seus sintomas iniciais.

Problemas de saúde bucal já surgiram antes, durante a pandemia, já que muitos pacientes adiaram os exames de rotina. Hewlett disse que mesmo aqueles que não são afetados devem ter em mente que manter uma boa saúde bucal é a chave para a saúde geral.

“As pessoas ainda não foram aos consultórios odontológicos, embora já tenha passado um ano” desde o início da pandemia, lamentou Dr. Shervin Molayem, periodontista e cirurgião de implantes que também é diretor do Mouth Body Research Institute em Los Angeles. “Eles abandonaram sua rotina odontológica”, acrescentou. De acordo com ele, o resultado é um aumento no sangramento das gengivas, doença periodontal e os efeitos nocivos da ranger de dentes.

“O que está causando o ranger de dentes à noite é provavelmente o estresse secundário da doença real”, concluiu Molayem. Isso significa que o estresse relacionado ao vírus que causou a pandemia tem o potencial de causar dor na mandíbula (ATM), bem como dentes rachados e lascados.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!