Aparentemente o Google enviou dados sobre alguns usuários para o governo do território autônomo de Hong Kong. A distribuição destas informações teria acontecido três vezes durante o ano passado, momento da história marcado por parte dos protestos e manifestações que aconteceram no local.

Quem afirma a situação é o jornal local Hong Kong Free Press. De acordo com o veículo, o Google produziu dados em resposta a três das 43 solicitações recebidas por autoridades de Hong Kong. Os pedidos feitos para a empresa americana envolviam informações sobre usuários e aconteceram durante o segundo semestre de 2020.

publicidade

Leia também

Uma das solicitações atendidas pelo Google tinha ameaça contra vida como motivação, em emergência. Já as outras duas apontavam para violações acontecendo com tráfico de pessoas, mas sem envolver segurança nacional. Nestes últimos os pedidos foram feitos com base em um mandato de busca emitido por um juiz, que fazia parte da investigação.

Em resposta ao veículo de imprensa, o Google afirma que os três envios de informações não continham conteúdo produzido pelas pessoas. Dentro de suas diretrizes sobre este tipo de pedido, o gigante das buscas afirma que não permite acesso direto aos dados dos usuários.

“Exigimos que os governos enviem as solicitações de informações de usuários diretamente ao Google e não entrem em contato por vias alternativas. Nossa equipe jurídica analisa todas as solicitações, e tomamos a iniciativa de agir com a maior transparência possível a respeito dessas ações governamentais”, diz a empresa.

Na página de suporte, o Google dá alguns exemplos sobre quais conteúdos pode fornecer para governos, mediante pedido formal. No Gmail ele envia informações de inscrição do usuário (por exemplo, nome, informações de criação da conta, endereços de e-mail associados e número de telefone), além de endereços IP de login e carimbos de data/hora.

Informações extras também podem ser compartilhadas com autoridades como dados do cabeçalho do e-mail e o conteúdo da mensagem. Já no YouTube a empresa segue o mesmo padrão do Gmail, com adição de cópias de vídeos privados e conteúdo de mensagens particulares.

Google não envia mais informações para Hong Kong

Depois destes pedidos emitidos durante 2020, o Google afirma que não colabora mais com o governo local quando solicitações semelhantes são emitidas. A única exceção acontece quando o mandato é recebido em alguma parceria com o governo americano.

A mudança de atitude aconteceu após as alterações nas leis de segurança nacional de Hong Kong, impostas pela China. Facebook e Twitter passaram a tomar a mesma atitude.

Via: The Verge.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!