O sono dos homens pode ser fortemente influenciado pelo ciclo lunar, até mais do que as mulheres, de acordo com um novo estudo da Universidade de Uppsala. Outras pesquisas conflitaram sobre a associação entre o ciclo lunar e o sono, com alguns relatando que há impacto e outros não. 

Existem várias explicações possíveis para essas descobertas diferentes, porém, muitos estudos anteriores que investigaram a ligação do ciclo lunar com o sono humano não controlaram suas análises para fatores de confusão conhecidos por afetar o sono, como apnéia obstrutiva e insônia.

publicidade

Durante o período crescente, a quantidade de superfície lunar iluminada vista da Terra aumenta, e o momento em que a lua cruza o meridiano de um local muda gradualmente para o final da noite. Por outro lado, durante o período de minguante, a superfície iluminada diminui e o momento em que a lua cruza o meridiano de um local muda gradualmente para as horas do dia.

Leia mais:

“Usamos gravações de sono em casa de uma noite de 492 mulheres e 360 ​​homens. Descobrimos que os homens cujo sono foi registrado durante as noites no período crescente do ciclo lunar exibiram menor eficiência do sono e maior tempo acordado após o início do sono em comparação com os homens cujo sono foi medido durante as noites no período de declínio”, explicou Christian Benedict, professor no departamento de Neurociências da Universidade de Uppsala e autor do estudo.

Segundo ele, o sono das mulheres permaneceu inalterado pelo ciclo lunar e que os resultados foram robustos para ajustes para problemas crônicos do sono e gravidade da apneia obstrutiva. Sendo assim, um mecanismo pelo qual a lua pode impactar o sono é a luz do sol refletida pela lua nos horários em que as pessoas costumam ir para a cama. 

Além disso, a pesquisa ecente sugere que o cérebro masculino pode ser mais responsivo à luz ambiente do que o feminino. “Nosso estudo, é claro, não consegue distinguir se a associação do sono com o ciclo lunar foi causal ou apenas correlativa”, conclui Christian Benedict.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!