Com muita pompa e pouca surpresa, a Apple anunciou hoje (14) a nova versão do iPad Mini. A versão diminuta do tablet da Maçã promete inúmeros upgrades em relação à geração anterior, com melhorias específicas em CPU/GPU, além de estrear o suporte à conexão 5G.

O novo iPad Mini traz display de 8,3 polegadas, brilho de 500 nits e bordas reduzidas para ampliar a média de tela em relação ao corpo. Com isso, a Apple acabou mudando o posicionamento do TouchID, agora localizado no botão de ligar e desligar o tablet.

publicidade
iPad Mini (2021) (Imagem: divulgação/Apple)
iPad Mini (2021) (Imagem: divulgação/Apple)

Com os upgrades, a Apple deu porcentagens bem altas de melhoria de desempenho, dizendo que o iPad Mini é até 40% mais rápido em processamento, e capacidade de vídeo ampliada em 80%. Essa ampliação de capacidade parece ser para dar as boas-vindas a uma evolução da neural engine, o motor computacional de machine learning que a Apple aplica em algumas de suas aplicações. Demonstrando o novo recurso, vimos um diálogo sendo traduzido em tempo real do português brasileiro (PT-Br) para o inglês.

O iPad Mini também estreia a conexão USB-C, permitindo que ele se conecte a uma gama mais ampliada de acessórios, desde câmeras fotográficas até dispositivos médicos (partindo, claro, da ideia de que tais acessórios também tenham essa entrada). No corpo, as câmeras frontal e traseira contam com 12 megapixels (MP) e HDR inteligente, que “resgata detalhes sombreados e adiciona brilhos”, aumentando o detalhamento das fotos. No vídeo, o iPad Mini faz gravações e 4K.

Além disso, o suporte à conexão 5G, os alto-falantes estéreo posicionados no topo e base do tablet e suporte à segunda geração da Apple Pencil completam o pacote.

O novo iPad Mini já está disponível para pré-venda nos EUA, com valor de US$ 499 (R$ 2.612,81), disponível em duas cores e com previsão de entregas para a próxima semana.

Texto em desenvolvimento