Centenas de imagens espetaculares encantaram os olhos dos jurados que ajudaram a eleger as melhores fotografias de astronomia de 2021, na 13ª edição do concurso Fotógrafo de Astronomia do Observatório Real de Greenwich. Os ganhadores em 12 categorias foram anunciados nesta quinta-feira (16), e as fotografias vencedoras serão exibidas no Museu Marítimo Nacional de Londres a partir deste sábado (18).

A exposição, que será aberta ao público, acontece no Museu Marítimo Nacional, onde serão exibidas mais de 100 fotografias em displays lightbox.

publicidade

Nesta edição de 2021, a competição atraiu mais de 4,5 mil inscrições de 75 países em todo o mundo. 

Conheça o Fotógrafo de Astronomia 2021, vencedor entre todas as categorias do concurso

Shuchang Dong foi coroado o vencedor na categoria Nosso Sol, e sua fotografia também foi eleita a melhor entre todas do concurso. A imagem, batizada de “O Anel de Ouro”, mostra um eclipse solar anular registrado na região de Ali, no Tibet, em junho do ano passado.

Equipamento utilizado: câmera Fujifilm XT-4; Sol: lente 386 mm f / 10, ISO 160, exposição de 1/2000 segundo; Nuvem em movimento: filtro ND1000, lente 386 mm f / 16, ISO 160, exposição de 1 segundo. Imagem: Shuchang Dong

“Esse lugar tem um clima ensolarado o ano todo, mas na frente do eclipse anular, vi nuvens escuras por todo o céu”, lembra Dong. “Estávamos esperando com mentes ansiosas, mas tivemos sorte. Um minuto após o eclipse anular, o Sol penetrou pelas nuvens e depois foi sugado pelas nuvens espessas. Tivemos muita sorte aqui”.

Segundo os julgadores, a imagem combina a ciência, a arte e a engenhosidade tecnológica da fotografia astronômica.

“Nosso Sol ainda pode ser visto como um anel circulando a Lua conforme ela passa em sua frente, e montanhas na superfície lunar podem ser vistas escondendo parte dessa luz na parte inferior direita da imagem”, destaca a juíza Emily Drabek-Maunder. 

Seu colega Steve Marsh, que também compôs o júri, classificou a imagem como “temperamental, serena, perfeitamente capturada e habilmente processada”. “Você sente como se pudesse alcançar o céu e colocar isso em seu dedo”, disse Marsh.

Leia mais:

Veja a foto vice-campeã na categoria Nosso Sol

Outra imagem que merece destaque é a segunda colocada na categoria Nosso Sol, de autoria de Vincent Bouchama, na qual nossa estrela aparece compartilhando sua coroa com um cometa.

Equipamento utilizado:  telescópio William Optics ZenithStar 61II APO, lente Williams Optics Flat 61 af / 5.9, montagem Vixen GPD SkySensor 2000PC, câmera Canon EOS 760D; Céu, sol e cometa: ISO 200–800, exposições de 1/800–0,6 segundos; Lua: ISO 200–800, exposições de 0,6 segundos; Proeminências e contas de Baily: ISO 200, exposições de 1/4000 segundos. Imagem: Vincent Bouchama

A foto foi tirada no departamento de El Cuy, Río Negro, Argentina.

“Esta composição mostra toda a gama de eventos que um eclipse solar total pode oferecer: brilho da terra, proeminências, contas de Baily, a cromosfera e a coroa”, diz Vincent. “Pode-se notar a presença de um convidado especial no canto direito do quadro – o cometa C / 2020 X3 (SOHO), que havia sido descoberto apenas na véspera”.

Lista completa de todos os vencedores do concurso “Fotógrafo de Astronomia”

Neste link, você pode conferir as imagens vencedoras em todas as 12 categorias: Nosso Sol; Aurora; Galáxias; Nossa Lua; Pessoas e Espaço; Planetas, Cometas e Asteroides; Skyscapes; Estrelas e Nebulosas; Jovem Fotógrafo de Astronomia; Prêmio Manju Mehrotra Family Trust de Melhor Revelação e Prêmio Annie Maunder para inovação de imagem.

De acordo com o site oficial do evento, o Prêmio Manju Mehrotra Family Trust de Melhor Revelação é concedido a astrofotógrafos novatos, que tenham menos de dois anos de experiência na área e que não tenham participado da competição antes.

Já o Prêmio Annie Maunder de Inovação em Imagem é concedido à pessoa que produz a melhor imagem a partir de dados publicamente disponíveis.

Lançada pela primeira vez em 2020, essa premiação incentiva todos a reimaginar e inovar as imagens publicamente disponíveis dos telescópios de pesquisa que astrônomos de todo o mundo usam para explorar nosso sistema solar e além.

Esses telescópios coletam dados e observações do céu noturno e corpos astronômicos, mas muitos deles permanecem invisíveis por não especialistas. O Prêmio Annie Maunder preenche a lacuna entre a ciência e a arte, encorajando os participantes a inventar maneiras diferentes e criativas de se envolver com essas observações.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!