Um grupo de cientistas japoneses está trabalhando na criação de “anticorpos de elite”, que, em tese, podem derrotar diferentes variantes do vírus da Covid-19. Segundo os pesquisadores, esse método pode reduzir o tempo de desenvolvimento de anticorpos extraordinários para apenas alguns dias.

Em condições normais, nosso corpo produz anticorpos bastante específicos para impedir a invasão de corpos estranhos. Alguns deles são do tipo neutralizante, que, no caso do Sars-CoV-2, se agarra à proteína spike, impedindo o invasor de sequestrar as células para replicar o DNA do vírus.

publicidade

Os “anticorpos de elite”, por sua vez, têm uma ação mais ampla na neutralização dos vírus. Eles são moléculas extremamente raras. Esses anticorpos são capazes de acompanhar e se adaptar aos disfarces usados pelas diferentes variantes do Sars-CoV-2 para esconder a proteína spike.

Melhor opção?

De acordo com o líder do estudo e professor da Universidade de Hiroshima, Tomoharu Yasuda, o tratamento com os anticorpos de elite é a intervenção terapêutica mais promissora para neutralizar o vírus da Covid-19 e suas variantes que já existem e que possam surgir no futuro.

Pesquisadora observa um microscópio
Yasuda e sua equipe vêm os anticorpos de elite como um tratamento promissor contra a Covid-19. Crédito: Tomoharu Yasuda / Universidade de Hiroshima

De acordo com ele, a mutação dos vírus é algo que pode colocar em risco a eficiência das vacinas atuais. Por isso, é necessário estudar os anticorpos de elite, como uma forma de apressar o desenvolvimento de medicamentos eficazes contra o Sars-CoV-2 e suas variantes.

Contudo, apesar de extremamente promissores, os anticorpos de elite são muito raros na natureza. Para encontrá-los, os pesquisadores precisam examinar milhões de células para tentar encontrar um candidato em potencial para ser cultivado em laboratório.

Gerado por pacientes graves

O trabalho de Yasuda e sua equipe consistiu em encontrar um perfil de pacientes de Covid-19 que seja mais provável de carregar os anticorpos de elite em seus corpos. Com isso, eles conseguiram diminuir o número de células analisadas antes de encontrar um candidato a anticorpo.

As descobertas dos pesquisadores mostraram que 80% dos participantes do estudo que tiveram Covid-19 grave, produziram altas quantidades de anticorpos de elite. A partir daí, eles conseguiram nada menos do que cinco candidatos.

Leia mais:

Desses, quatro foram extremamente eficientes contra a cepa original e as variantes Alpha e Delta, que são as mais infecciosas em circulação. Outros dois candidatos também foram capazes de neutralizar a variante Beta, que é conhecida por reduzir a eficácia de algumas vacinas, como a da AstraZeneca.

Via: Medical Xpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!