Nesta terça-feira (28), a equipe de operações do Ingenuity no Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa emitiu um relatório técnico explicando o motivo pelo qual foi abortada a 14ª missão do helicóptero em Marte.

De acordo com o documento, assinado pelo vice-líder da equipe, Jaakko Karras, o voo, que deveria ter acontecido há pouco mais de uma semana, precisou ser adiado (sem nova data definida) porque “o Ingenuity detectou uma anomalia em dois dos pequenos servo motores de controle de voo durante a verificação automática pré-voo”.

publicidade
Helicóptero Ingenuity apresentou problemas técnicos que impediram seu 14º voo em Marte. Ilustração 3D por Giovanni Cancemi – Shutterstock

Segundo o site Space, o relatório explica que o Ingenuity tem seis servos, três para cada um de seus dois rotores. Os pequenos motores ajustam a inclinação dos rotores, permitindo ao helicóptero controlar sua orientação e posição durante o voo.

“Os servo motores são muito menores do que os motores que giram os rotores, mas eles fazem uma enorme quantidade de trabalho e são essenciais para um voo controlado estável”, disse Karras.

Ingenuity ultrapassou número de missões e pode estar sobrecarregado

A equipe ainda está tentando determinar a causa dessa anomalia, mas acredita que pode ser devido ao crescente desgaste nas caixas de engrenagens e ligações dos servos, segundo Karras. 

É importante lembrar que o Ingenuity foi originalmente projetado para fazer apenas cinco voos no Planeta Vermelho. Então, esse desgaste tem grandes chances de ser em razão disso.

Na semana passada, o Ingenuity passou por dois testes adicionais de manobra dos servos (em 21 e 23 de setembro). “Portanto, o problema não é totalmente repetível”, declarou Karras. “Temos uma série de ferramentas disponíveis para trabalhar com a anomalia e estamos otimistas de que vamos superar isso e voltar a voar novamente em breve”.

Leia mais:

No entanto, a dinâmica orbital do planeta manterá o helicóptero no chão por mais algumas semanas, pelo menos. Isso porque Marte está agora em “conjunção solar”, o que significa que está do outro lado do Sol em relação à Terra. 

Como a nossa estrela pode corromper e interferir nas comunicações entre os dois planetas, a Nasa parou de enviar comandos para o Ingenuity e seus outros robôs de Marte – incluindo o parceiro do Ingenuity, o rover Perseverance – até meados de outubro.

Próxima missão deve enfrentar dificuldade devido à densidade atmosférica atual de Marte

A equipe responsável pela missão Ingenuity acredita que, embora seja simples, o 14º voo do helicóptero em Marte pode ser mais desafiador. Comparado a voos de reconhecimento anteriores, este é considerado de menor complexidade, tendo em vista que tem por objetivo somente testar velocidades mais altas de rotação do rotor.

No entanto, a dificuldade está em enfrentar a densidade atmosférica marciana, que está, atualmente, muito mais baixa.

Segundo a equipe, o plano de voo prevê que o Ingenuity decole, suba até cinco metros e faça uma manobra lateral antes de pousar. A velocidade do rotor deverá ser de aproximadamente 2,7 mil rotações por minuto (RPM). Em comparação, na experiência anterior, o Ingenuity voou sobre Marte a cerca de 2,53 mil RPM. 

Após serem realizadas as adequações necessárias em razão do problema encontrado nos servos, os engenheiros esperam que a maior taxa de rotação possibilite que o drone consiga voar nessa densidade atmosférica mais baixa.

“Na verdade, está ficando mais difícil a cada dia. Estou falando sobre a densidade atmosférica, que já era extremamente baixa e agora está caindo ainda mais, devido às variações sazonais em Marte”, disse o piloto-chefe do Ingenuity, Håvard Grip, do JPL da Nasa, em comunicado.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!