A atividade de um jovem na internet pode aumentar o risco de sofrer abuso sexual, sendo ainda mais provável quem já foi vítima na infância, de acordo com um estudo publicado na Nature Human Behavior. Algumas pesquisas anteriores indicaram que a internet em geral não é problemático para os adolescentes, porém, parte dos usuários podem ser vulneráveis ​​a crimes sexuais e cyberbullying

Sendo assim, compreender as atividades na internet e como isso se relaciona com o risco é importante. Jennie Noll e sua equipe forneceram computadores a 460 adolescentes, de idade entre 12 a 16 anos, para monitorarem o que fazem na web durante quatro semanas. 

publicidade

Do total, 156 indivíduos sofreram abuso sexual infantil de forma comprada. Todos os participantes foram entrevistados para medir o bem-estar psicológico e social, comportamentos sexuais e se eles sofreram vitimização online. Além de que as entrevistas foram repetidas dois anos depois. 

Leia mais:

Os autores descobriram que os adolescentes poderiam ser colocados em três grupos com base em suas atividades dentro e fora da internet. Indivíduos dentro do grupo que apresentaram altos níveis de atividade na internet e baixo bem-estar psicológico e social correram o maior risco de vitimização online. 

Isso incluiu um risco aumentado de ser vítima de cyberbullying e de receber solicitações sexuais na internet be desagradáveis. Ademais, meninas que sofreram abuso sexual na infância tinham maior probabilidade de serem incluídas neste grupo de alto risco.

As descobertas sugerem que os fatores online e offline contribuem para o risco de adolescentes se tornarem vítimas na internet e que os sobreviventes de abuso sexual na infância correm um ainda risco maior. Por outro lado, os autores destacaram várias advertências que devem ser consideradas ao se tirar conclusões gerais. 

Um exemplo é o fato que o estudo foi realizado apenas entre 2012 e 2015, então, os resultados destacam os riscos e não as causas da vitimização, e a generalização para todos os adolescentes não foi examinada.

Fonte: Medical Xpress