A microbiota – ou conjunto de microorganismos – no nariz e na garganta contém biomarcadores para avaliar o quão doente um indivíduo infectado com SARS-CoV-2 pode ficar, até para desenvolver novas estratégias de tratamento para melhorar seu resultado, desenvolvem os pesquisadores.

A microbiota nasofaríngea é considerada uma proteção de linha de frente contra vírus, bactérias e outros patógenos que entram nessas passagens naturais, esclareceu o Dr. Sadanand Fulzele, pesquisador do Departamento de Medicina do Medical College of Georgia na Augusta University.

publicidade

Padrões distintos surgiram quando os pesquisadores examinaram a microbiota de 27 indivíduos com idade entre 49 e 78 anos que eram negativos para o vírus. “Milhões de pessoas são infectadas e relativamente poucas delas tornam-se sintomáticas. Esta pode ser uma das razões”, explicou o Dr. Ravindra Kolhe, diretor do Laboratório Esotérico e Molecular da Geórgia do MCG, que realizou mais de 100.000 testes Covid-19.

As mudanças mais significativas ocorreram em quem era sintomático, incluindo cerca de metade dos pacientes que não tinham uma quantidade suficiente de microbiota para sequenciar uniformemente, segundo o autor.

“Não sabemos o que veio primeiro, a doença ou a destruição da microbiota”, disse Fulzele. De acordo com ele, nariz escorrendo e espirros podem ser responsáveis ​​pela perda, um número menor de habitantes bacterianos pode ter aumentado o risco dos indivíduos de desenvolver esses tipos de sintomas ou o vírus pode ter mudado o cenário.

Leia também:

Um dos principais métodos de transmissão da síndrome respiratória aguda grave do SARS-Cov-2 é quando alguém tosse, espirra ou mesmo fala, e gotas chamadas aerossóis transportam o vírus que se move pelo ar e entra no nariz ou na boca de outra pessoa.

Aqueles com 65 anos ou mais, podendo ou não ter questões de saúde subjacentes como hipertensão e diabetes, são considerados em maior risco de hospitalização e morte por infecção. Com isso, eles decidiram olhar para a microbiota na parte superior do sistema respiratório, chamada de nasofaringe de indivíduos mais velhos.

As novas descobertas indicaram que a microbiota alterada nos pacientes sintomáticos impactou a resposta imunológica ao vírus, descreveram Kolhe e Fulzele.

A microbiota de ambos os grupos infectados – sintomáticos e assintomáticos- apresentava altos níveis de bactérias como as cianobactérias, também chamadas de algas verdes azuis, as quais podem ser encontradas em água contaminada.

Essas bactérias entram no corpo através das superfícies mucosas, como as do nariz, e são conhecidas por causar pneumonia e danos ao fígado. Portanto, aqueles que eram sintomáticos tinham duas vezes mais dessa bactéria do que suas contrapartes assintomáticas.

Por mais que a relação entre a microbiota e a gravidade da Covid-19 permaneça desconhecida, o estudo indicou uma “forte associação” entre a microbiota nasal, a infecção por SARS-CoV-2 e a gravidade, eles concluíram.

Fonte: Medical Xpress