Quem lembra do Peter Parker emo de ‘Homem-Aranha 3’, interpretado por Tobey Maguire em 2007 provavelmente vai entender o lado de Sam Raimi. O diretor daquela trilogia do super-herói amigo da vizinhança volta aos cinemas em 2022 com outro poderoso personagem da Marvel, o Doutor Estranho. Mas ele relutou antes de aceitar o desafio de comandar uma produção do Universo Cinematográfico Marvel (MCU).

“Eu não sabia que poderia enfrentar isso novamente porque era tão horrível, tendo sido o diretor de ‘Homem-Aranha 3’. A Internet estava ficando cada vez mais acelerada e as pessoas não gostavam daquele filme e com certeza me contaram sobre isso. Foi difícil retomar”, disse Raimi, em entrevista para o site Collider.

publicidade

Leia mais:

Mas, para ‘Doutor Estranho no Multiverso da Loucura’, o cineasta percebeu uma abertura. O novo filme da Fase 4 do MCU tem estreia programada para o dia 24 de março de 2022 no Brasil. Nesses 15 anos, muita coisa mudou, fazendo com que Sam Raimi aceitasse o desafio mental de retornar a um filme de super-herói da Marvel.

“Meu agente me ligou e disse: ‘Eles estão procurando um diretor na Marvel para este filme e seu nome apareceu. Você estaria interessado?’ E eu pensei, ‘Eu me pergunto se eu ainda conseguiria fazer isso.’ Eles são muito exigentes, esse tipo de filme. E eu pensei, ‘Bem, isso é razão suficiente'”, contou o diretor.

Sam Raimi ainda revelou que sempre gostou do personagem Stephen Strange, interpretado por Benedict Cumberbacht. Não era bem seu favorito, mas estava naquele hall. O cineasta comentou que gostou muito da primeira adaptação do herói dos quadrinhos para a telona, do diretor Scott Derrickson. E isso o levou ao “sim” para a Marvel.

Benedict Cumberbatch como Doutor Estranho
‘Doutor Estranho 2’ estreia em março de 2022. Imagem: Marvel Studios/Divulgação

“Eles deixaram o personagem em um ótimo lugar. Eu não pensei que faria outro filme de super-herói. Simplesmente aconteceu”, emendou. O diretor também deu algumas ideias do que os fãs podem esperar do longa do Mago Supremo. Ele deixou os atores livres para improvisações.

“Scott Derrickson estabeleceu uma base muito forte com ótimos personagens, história e visuais com Benedict Cumberbatch, mas, no entanto, é uma nova história. Cada vez que o ator passa na frente da câmera, todos estão fazendo tudo do zero. Então, só para mim, porque esse é o meu ponto de vista, outra improvisação, uma tomada diferente, algo inesperado, algo jogado no ator para que ele responda ao vivo para as câmeras é emocionante. É apenas uma continuação do mesmo processo”, concluiu Sam Raimi.

Via: Collider / Slash Film

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!