A Crew-3, terceira missão tripulada à ISS realizada pela SpaceX, com lançamento programado para 30 de outubro, terá a honra de estrear uma cápsula Crew Dragon novinha em folha. E com isso, vem também o privilégio de escolher o nome dela: a “Cápsula 210” agora passará a se chamar “Endurance”, nome que pode ser traduzido como “tenacidade”.

Segundo o astronauta Raja Chari, membro da Crew-3, o nome é um “tributo à tenacidade do espírito humano, à medida que levamos humanos e máquinas mais longe do que jamais estiveram”. Também é uma referência “ao fato de que as equipes de desenvolvimento, de produção e de treinamento que nos trouxeram aqui tiveram tenacidade durante a pandemia de Covid-19“. 

publicidade

Por fim, “também há o fato de que vamos reusar este veículo. Então, uma coisa muito legal sobre a Dragon da SpaceX é que seremos os primeiros a usar a Endurance, mas esta não será a última vez que ela será usada.

A SpaceX tem outras duas cápsulas tripuladas. A Endeavour foi batizada por Bob Benhen e Doug Hurley durante a missão Demo-2, em maio de 2020, em homenagem ao ônibus espacial Endeavour. Já cápsula usada na Crew-1 foi chamada de “Resilience”, também evocando as dificuldades enfrentadas pela humanidade durante a pandemia.

As missões Crew-2 e Inspiration4 reutilizaram a Endeavour e a Resilience, respectivamente. Todas as cápsulas são idênticas, com uma exceção: a Resilience foi modificada para a Inspiration4, com a remoção do adaptador de acoplamento à Estação Espacial Internacional (ISS) e sua substituição pela “maior janela já enviada ao espaço”, batizada de Cupola.

Uma quarta Crew Dragon está em construção e será usada no lançamento da Crew-4, previsto para abril de 2022. Com isso, a SpaceX irá dobrar sua frota de cápsulas tripuladas em 2 anos.

Leia mais:

Sem concorrência?

Enquanto isso, a única concorrente da SpaceX em missões tripuladas, a Boeing, está em maus lençóis. Sucessivos atrasos e problemas com a sua cápsula Starliner fizeram o próximo voo de teste (OFT-2), que deveria ter acontecido em agosto deste ano, ser adiado até 2022. E esta será uma missão não tripulada. Um voo tripulado só acontecerá após a missão ser concluída com sucesso e a Nasa certificar a espaçonave.

Cápsula Starliner da Boeing
Cápsula Starliner, da Boeing, sofre com atrasos e problemas técnicos. Imagem: United Launch Alliance/Reprodução

Por isso, a agência espacial norte-americana decidiu remanejar dois astronautas que estavam designados para a primeira e segunda missões tripuladas da Starliner. Nicole Mann e Josh Cassada deverão voar na Crew-5, que tem lançamento programado para a “primavera de 2022”. 

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!