A série ‘Round 6’ não é a primeira produção da Coreia do Sul a mostrar a disparidade social no país. O filme ‘Parasita’ (2019), vencedor do Oscar em quatro categorias, já havia mostrado isso. Mas a série original Netflix acentuou o desconforto dos coreanos, que, mesmo incomodados, admitem ver semelhanças com a vida real.

O problema com dívidas está bastante arraigado no país asiático. Em ‘Round 6’, as questões financeiras são o que levam 456 competidores a um jogo cheio de brincadeiras infantis mortais na busca por um prêmio de 45,6 bilhões de won, cerca de R$ 208,5 milhões.

publicidade

Leia mais:

“Há uma dissonância entre o orgulho coreano de que esta série coreana está dominando a Netflix em todo o mundo e o desconforto com o que o programa parece expor sobre a Coreia”, disse o professor assistente CedarBough Saeji, da área de estudos coreanos e do Leste Asiático na Universidade Nacional de Busan, na Coreia do Sul.

Em entrevista ao canal NBC, ele falou sobre o seriado que já chegou ao primeiro lugar em 90 mercados da plataforma de streaming em todo o mundo. “Os coreanos adoram ser o número 1, mas o número 1 ao custo de expor sua roupa suja é uma coisa um pouco diferente”, emendou.

Mesmo levando esse desconforto, ‘Round 6’ também se tornou extremamente popular no país. Ela, inclusive, acabou ajudando um vendedor de rua de Seul, que forneceu à produção da série os doces usados em uma das fases do jogo. Em entrevista à Reuters, ele afirmou que o negócio cresceu com a procura da guloseima.

Para quem assiste na Coreia do Sul, a produção é atraente por ser direta e explícita. “Embora eu seja jovem, posso facilmente me relacionar com a dura realidade de uma sociedade muito competitiva”, disse Park Sae-ha, estudante do último ano do curso de economia na Universidade Yonsei em Seul.

Round 6
As dívidas dos sul-coreanos são retratadas em ‘Round 6’. Imagem: Youngkyu Park/Netflix

Em média, os coreanos têm uma renda de 50 milhões de won por ano, pouco mais de R$ 230 mil. Mesmo assim, muitos deles acabam precisando pedir dinheiro emprestado. O preço médio de um apartamento na capital Seul atingiu, por exemplo, US$ 1 milhão, sendo o setor imobiliário o responsável pela maior parte da dívida das famílias do país.

Mesmo com a maioria solicitando empréstimos a bancos, parte da população que não consegue acesso a essas instituições financeiras recorrem a credores que cobram taxas de juros mais altas. Segundo estimativas citadas pela NBC, 400 mil coreanos têm dívidas com agiotas.

‘Round 6’ estreou na Netflix no dia 17 de setembro. A série demorou 10 anos para ser realizada desde que o criador  Hwang Dong-hyuk escreveu o roteiro. O serviço de streaming acredita que a série sul-coreana pode se tornar a produção original mais vista da plataforma, entre filmes e séries.

Via: NBC News

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!