Tentando passar uma reputação de filantropo, e adiantado a conferência COP26 que deve começar no dia 31 de outubro, o herdeiro do trono britânico revelou um segredo sobre seu Aston Martin DB6 de 1970. Em entrevista, foi revelado que o carro do Príncipe Charles é movido a uma mistura de etanol, digamos assim, nobre.

Segundo ele, seu carro foi adaptado para um biocombustível que é gerado pelas sobras de vinho branco e soro de leite, subprodutos da indústria britânica. O primeiro é destilado, e o segundo fermentado e destilado, para criar etanol. Isso é usado para mover o clássico, numa mistura de 85% de etanol com 15% de gasolina.

publicidade

Ceticismo em casa com o carro ecológico do príncipe Charles

Diferente do Brasil, onde biocombustíveis são tratados como a saída para a crise climática, a invenção foi recebida com frio ceticismo na sua terra natal. “A solução do Príncipe Charles para descarbonizar seu Aston Martin usando uma mistura de bioetanol feita com restos de queijo e vinho não deve ser confundida uma solução séria para descarbonizar veículos”, reclamou Greg Archer, diretor do braço britânico da ONG T&E (Transport and Environment, “transporte e ambiente”), ao Guardian. “Em larga escala, os biocombustíveis fazem mais mal que bem, incentivando desflorestamento e uso de terra que piora a crise climática.”

Dr. Chris Mallins, especialista em combustíveis alternativos e sustentabilidade, falou também ao Guardian e disse que Charles é um ecologista de “butique”. “O Reino Unido tem uma política que está se empenhando de forma relativamente agressiva pelo desenvolvimento de mais tecnologia que, se não queijo e vinho, pode usar outros elementos, ainda que restos de alimentos sejam limitados. É preciso tecnologia mais avançada.”

Na mesma conversa com a BBC, o príncipe falou de outras ideias suas sobre o ambiente. “Eu não tenho comido carne e peixe por dois dias da semana e não como laticínios um dia por semana. Se mais pessoas fizessem isso, você diminuiria em muito a pressão [no ambiente]”.

Via The Guardian

Imagem: GoncharukMaks/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!