Depois do lançamento fracassado do foguete LV0006 (Veículo de Lançamento 0006), que “decolou de lado” e, posteriormente, causou até uma queda de suas ações, a Astra anunciou uma data para sua nova missão.

Foguete LV0006 se moveu na horizontal em lançamento considerado fracassado.

Segundo a empresa, que tem sede na Califórnia, o próximo lançamento será no dia 27 de outubro. O foguete agora é o chamado “LV0007”, que carregará uma carga útil de teste de alguns poucos quilos para a Força Espacial dos EUA.

Embora seja uma carga útil pequena e provavelmente de valor monetário relativamente baixo, a Astra precisa demonstrar sua viabilidade como uma empresa de lançamento depois do ocorrido (que não foi sua primeira falha). 

Esta será a quarta tentativa da Astra de alcançar a órbita – e ocorre quando outros competidores de pequenos lançamentos já estão lançando seus foguetes com sucesso.

“Nossa equipe está ansiosa para retornar ao voo e aprender mais sobre nosso sistema de lançamento, consistente com nossa filosofia de lançamento e aprendizado”, disse Chris Kemp, fundador, presidente e CEO da Astra, em comunicado à imprensa.

Lançamento do foguete LV0006 da Astra, que se moveu horizontalmente após decolagem. Imagem: Captura de tela / Nasa Spaceflight

Como o próprio nome indica, este será o sétimo foguete construído pela Astra. Os primeiros dois modelos eram estritamente para testes suborbitais. O terceiro foi perdido durante um incêndio na plataforma de lançamento. 

Em setembro do ano passado, houve a tentativa de lançamento do quarto foguete – a primeira tentativa real da empresa em um lançamento orbital – que falhou após cerca de 30 segundos devido a um erro de orientação. 

Durante uma tentativa subsequente em dezembro de 2020, o LV0005 alcançou o espaço, mas não tinha propelente suficiente para entrar em órbita. Embora tecnicamente isso seja considerado uma falha, esse segundo voo demonstrou desempenho perfeito no primeiro estágio, separação de estágio e uma segunda queima do motor. Isso deu à Astra a confiança de que alcançaria a órbita em sua próxima de voo.

No entanto, em 28 de agosto deste ano, o lançamento deu errado quase no exato instante em que os motores foram acionados, fazendo o foguete se mover mais na horizontal do que na vertical. Apesar de ter-se corrigido e seguido uma trajetória ascendente, um oficial de segurança ordenou o encerramento do voo após 148 segundos, depois que ele saiu de seu corredor de lançamento.

Leia mais:

Astra divulga mais detalhes sobre a falha no foguete LV0006

Na manhã desta terça-feira (12), o engenheiro-chefe da Astra, Benjamin Lyon, forneceu mais informações sobre essa falha e as medidas que a empresa tomou para garantir que ela não ocorra novamente.

“O problema que encontramos foi algo que não tínhamos visto antes”, escreveu Lyon. “Antes da decolagem, o sistema de distribuição de propelente do primeiro estágio fornece ao foguete combustível e oxidante. Projetamos o sistema para se desconectar e selar rapidamente quando o foguete decolar. Nesse lançamento, os propelentes vazaram do sistema, misturaram-se e ficaram presos em um espaço fechado abaixo da interface entre o foguete e o lançador”.

Nesse ponto, segundo Lyon, a exaustão dos cinco motores do foguete acendeu o propelente, que por sua vez cortou a conexão com os componentes eletrônicos da bomba de combustível. “Isso levou ao desligamento de um dos motores do foguete uma fração de segundo depois do lançamento. Esse desligamento fez com que o foguete pairasse antes que seu software de voo a bordo compensasse, permitindo que ele voasse mais para cima. Os quatro motores restantes, no entanto, não tiveram impulso suficiente para colocar o foguete em órbita”, relatou.

Lyon disse que a Astra modificou o projeto do sistema de abastecimento do foguete para que o querosene e o oxigênio líquido não se misturem mais. De acordo com o engenheiro, o foguete também foi modificado para reduzir ainda mais o risco de vazamento durante o processo de abastecimento. “Acreditamos que essas mudanças reduzem significativamente a probabilidade de ver um evento semelhante no futuro”, disse Lyon.

Com informações do Ars Technica.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!