Após a tragédia que afetou Fukushima em 2011, o Japão se blindou e decidiu eliminar a energia nuclear do país. Dois anos depois que um tsunami levou ao colapso todo o Plano de Energia Nuclear de Fukushima Daiichi, o governo determinou o desligamento de toda a frota de geradores de energia nuclear do país.

Fumio Kishida, novo primeiro-ministro do Japão, quer mudar esse cenário. “É crucial reiniciarmos as usinas nucleares”, comentou Kishida ao parlamento na segunda-feira (11), primeira vez que enfrentou questões importantes desde que se tornou primeiro-ministro, relatou a Reuters.

publicidade

Através de um discurso ao parlamento na última sexta-feira (8), Kishida argumentou que as fontes de energia renovável como a eólica e a solar não serão suficientes para abastecer o Japão nos próximos anos. A situação se valida à medida que o governo pressiona os setores público e privado a serem mais digitais e automatizados.

Leia mais:

“Nem é preciso dizer que a energia renovável é importante, mas nosso país está passando por um processo de digitalização, o que significa que a demanda por eletricidade vai aumentar drasticamente”, explicou Kishida. 

De acordo com ele, “quando você pensa sobre isso, percebe que a estabilidade do suprimento e a acessibilidade são tão importantes quanto a quantidade de emissões. Isso significa que precisamos ter uma variedade de fontes de energia, incluindo nuclear e hidrogênio, bem como renováveis.”

A energia nuclear é um assunto que divide opiniões, não só no Japão. Porém, por mais que os desastres como Chernobyl e Fukushima tenham marcado a história da humanidade por tamanha tragédia, no total a energia nuclear emite pouco carbono e é mais confiável do que a geração eólica e solar. 

A usina nuclear Fuskushima Daiichi, no Japão, atingida por um Tsunami em 2011, causando um dos maiores acidentes nucleares da história. Imagem: Santiherllor / Shutterstock

Por isso, alguns cientistas e ambientalistas estão pressionando os governos a adotarem mais a energia nuclear, já que poderia substituir o carvão e o gás como um complemento ao aumento da energia renovável. 

O Japão se comprometeu no ano passado com emissões líquidas de gases de efeito estufa até o ano de 2050. Além disso, em maio, o país se comprometeu a interromper o financiamento de usinas a carvão no exterior.

Fonte: Cnet

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!