Uma grave crise energética no Reino Unido tem levado operadoras de ferrovias a desistir da potência elétrica para readotar a tração a diesel em suas locomotivas. Uma das líderes no setor, a Freightliner anunciou, em comunicado à imprensa na última quinta-feira (14), que fez a mudança temporária a fim de “manter uma opção econômica para o transporte de mercadorias vitais”.

“Como resultado da alta dos preços no mercado atacadista de eletricidade no Reino Unido, o preço que a Network Rail [empresa pública que gerencia a infraestrutura de transportes no país] nos cobra para operar serviços elétricos aumentou mais de 210% entre setembro e outubro”, diz o comunicado. “Este aumento sem precedentes nas tarifas de eletricidade resultou em um crescimento no custo de operação dos serviços de frete.”

publicidade

Crise no gás leva ao retorno das ferrovias ao diesel

Como no Brasil, os preços do gás e da luz no Reino Unido dispararam brutalmente nos últimos meses. Isso acontece porque houve um aumento na demanda do gás natural com a reabertura das economias após a desaceleração da pandemia de Covid-19 e a produção de fontes renováveis — como usinas eólicas — não obteve o desempenho esperado.

O barril do gás, por exemplo, está sendo negociado a quase US$ 200 (cerca de R$ 1.100), gerando um aumento de 268% nos preços da energia elétrica. Já o valor de referência do diesel na Europa atinge US$ 98 (aproximadamente R$ 540), o mais alto em três anos.

“O aumento significativo do custo de eletricidade levou algumas operadoras a tomar uma lamentável decisão de regressar temporariamente às locomotivas diesel”, diz um comunicado de outro importante grupo na Inglaterra, o RFG (Rail Freight Group). “Nossos membros estão nos garantindo que esta é uma medida temporária e será mantida sob constante revisão.”

A maioria dos serviços eletrificados da Freightliner já foi temporariamente substituída por diesel. De acordo com a empresa, 23 das 162 locomotivas em sua frota ativa são movidas a bateria.

Engarrafamento em posto de gasolina em Londres, na Inglaterra
Engarrafamento em posto de gasolina em Londres: crise energética no Reino Unido afeta na contratação de motoristas para transporte de mercadorias (BBA Photography/Shutterstock)

Abastecimento alimentar ameaçado

O problema no transporte ferroviário não apenas afeta o bolso do britânico, como pressiona para um problema pior: o abastecimento alimentar. Não apenas pela alta no preço do combustível, mas também pela falta de trabalhadores para levar a gasolina aos postos.

De acordo com a associação Logistics UK, o Reino Unido precisa de cerca de 90 mil motoristas de veículos pesados para estancar a crise. Este é um número que o país não consegue suprir por questões de circulação: após o Brexit, os motoristas que antes podiam entrar e sair da ilha sem problemas agora precisam de um visto de trabalho. Com isso, o transporte de suprimentos e bens vitais — como alimentação — tem se tornado mais difícil.

A crise também afeta o poder de compra do consumidor do Reino Unido. Em agosto, a inflação chegou a 3,2%, o valor mais alto em uma década, tendo chances de atingir 4% em dezembro, de acordo com as previsões do Banco da Inglaterra.

Via Railnews e BBC

Imagem: Kev Gregory/Shutterstock

Leia mais:

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!