Uma sobrevivente de câncer se infectou com o vírus da Covid-19 por pelo menos 335 dias, sendo o caso mais longo já documentado da doença até o momento, de acordo um novo estudo. As descobertas foram publicadas como uma no MedRxiv, no início deste mês, porém, ainda não foi revisado.

A paciente em questão é uma mulher de 47 anos que não foi identificada. Ela foi hospitalizada pela primeira vez com Covid-19, em 2020, no campus do National Institutes of Health em Bethesda, localizado no estado Maryland nos Estados Unidosinformou a Science News.

publicidade

Após dez meses, durante os quais ela demonstrou sintomas leves ou nenhum sintoma de Covid-19, os médicos descobriram que a paciente ainda estava com o teste positivo para o vírus. A jovem ficou imunocomprometida depois de um tratamento de câncer no sangue, que ocorreu três anos antes e a deixou com baixos níveis de células B, que são as que produzem anticorpos.

Créditos: Shutterstock

De acordo com o estudo, ela continuou testando positivo para a Covid-19 e os médicos pensaram que eram falsos positivos que detectavam fragmentos inofensivos do vírus que ficaram depois que a infecção foi eliminada. Só que quando a carga viral dela aumentou novamente em março, os profissionais da saúde sequenciaram o seu genoma. 

Foi descoberto em seu genoma algo muito semelhante ao coronavírus que ela carregava dez meses antes e também diferente de qualquer cepa que circulava na população em geral na época. Com isso, a mulher recebeu tratamento e eliminou a infecção em abril, completando 335 dias após o seu primeiro teste.

A descoberta avança nos estudos sobre a Covid-19 e fornece mais informações sobre a infecção do vírus em pessoas com sistema imunológico enfraquecido. Ainda mais porque pessoas imunocomprometidas possuem menos probabilidade de ter uma resposta forte com duas doses da vacina, ficando mais vulneráveis. 

Leia mais:

Fonte: Science Alert

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!