Ter o rosto escondido parcialmente pelas máscaras de proteção contra a Covid-19 pode dificultar nossa capacidade de demonstrar emoções e interagir com outras pessoas. Essa é a conclusão de um estudo feito pela Universidade de Cardiff, no Reino Unido, que analisou como esses objetos interferem na vida das pessoas.

Não apenas máscaras, mas também pessoas que sofrem com algum tipo de paralisia facial ou mesmo crianças chupando chupetas podem ter dificuldades em expressar seus sentimentos. Para se chegar a esse resultado foram analisadas 38 pessoas por meio de um eletroencefalograma enquanto assistiam a vídeos com expressões de medo, raiva, felicidade e angústia, além de objetos do cotidiano que apareciam na tela.

publicidade

“As pessoas tendem a imitar automaticamente as expressões faciais de emoção dos outros quando olham para elas, seja um sorriso, uma carranca ou um sorriso malicioso. Essa imitação facial, onde o cérebro recria e espelha a experiência emocional da outra pessoa, afeta a forma como temos empatia com os outros e interagimos socialmente”, disse Dr. Ross Vanderwert, principal autor do estudo.

Leia mais:

Os participantes da pesquisa assistiram a metade dos vídeos enquanto seguravam uma caneta entre os dentes e a outra metade sem o objeto. A base para o estudo foi o espelhamento neural, uma função do nosso sistema motor que funciona avaliando expressões e comportamentos dos outros.

“Nosso estudo sugere que, quando os movimentos da parte inferior do rosto são interrompidos ou ocultos, isso pode ser problemático, especialmente para interações sociais positivas e a capacidade de compartilhar emoções”, completou ainda.

Uso de máscara e a expressões

Os resultados revelaram que os participantes que podiam mover o rosto livremente apresentaram espelhamento neural significativo ao observar as expressões emocionais, mas não os objetos do cotidiano. Enquanto estavam com a caneta presa nos dentes, nenhum espelhamento neural foi observado ao olhar para as expressões de felicidade e raiva. No entanto, o mecanismo agiu ao ver expressões de medo.

“Para emoções que são expressas mais fortemente pelos olhos, por exemplo, o medo, bloquear a informação fornecida pela boca não parece afetar a resposta do nosso cérebro a essas emoções. Mas para expressões que dependem da boca, como um sorriso amigável, o bloqueio teve mais efeito “, disse a segunda autora, Dra. Magdalena Rychlowska, da Escola de Psicologia da Queen’s University em Belfast.

“Usar uma máscara facial continua a ser vital para proteger a nós e aos outros durante a pandemia Covid-19, mas nossa pesquisa sugere que isso pode ter implicações importantes para a maneira como nos comunicamos e interagimos”, finalizou Vanderwert.

Via MedicalXpress

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!